Avançar para o conteúdo principal

Eutanásia: Sim ou Não? | A Eutanásia e os alicerces da Civilização

A questão da legalização da eutanásia e do suicídio assistido assume uma particular relevância, uma relevância que não têm muitas outras questões políticas que marcam a atualidade.
Estão em jogo dois princípios básicos, verdadeiros alicerces, que têm estruturado a nossa civilização e a nossa ordem jurídica. O primeiro desses alicerces é o da proibição de matar (o não matarás do decálogo judaico-cristão, refletido no princípio da inviolabilidade da vida humana consagrado no artigo 24.º. n.º 1, da nossa Constituição) – não podemos branquear a realidade através de eufemismos (“morte assistida”, “morte digna”, “antecipação da morte”); do que se trata é de provocar a morte (não apenas de a aceitar como fenómeno natural, quando não pode ser evitada, renunciando a tratamentos inúteis e desproporcionados). O segundo desses alicerces é o de que não há vidas mais ou menos dignas, mais ou menos merecedoras de proteção; a dignidade da vida é algo de intrínseco, não se perde com a doença ou a deficiência.
Com a legalização da eutanásia, ao princípio da proibição de matar contrapõe-se a absolutização da autonomia. Ou seja: já não será proibido matar sempre, será proibido matar apenas quem quer viver (como se o mandamento passasse a ser: não matarás quem quer viver). O consentimento da vítima justificará o homicídio (passa a ser lícito o homicídio a pedido nalgumas situações). Mas não é correto colocar o valor da autonomia acima do valor da vida, porque a vida é o pressuposto de todos os bens terrenos, e também da liberdade e da autonomia, a vida é a raiz e a fonte da liberdade e da autonomia, sem vida não há liberdade e autonomia. Da mesma forma que não se justifica a escravidão consentida, porque dessa forma a liberdade se auto-destrói.
A vida é um bem indisponível. O artigo 24.º, n.º 1, da Constituição declara-a inviolável sempre, mesmo que o seu titular consinta na sua violação. Por isso, são punidos o homicídio a pedido e o incitamento e a ajuda ao suicídio. E há outros bens indisponíveis: não são admissíveis, mesmo com o consentimento da vítima, ofensas graves à saúde e à dignidade da pessoa, assim como o trabalho em condições degradantes, ou com violação de direitos básicos do trabalhador.
Por outro lado, pode questionar-se se o pedido de eutanásia e de auxílio ao suicídio corresponde à autêntica e mais genuína vontade da pessoa. Pode ser um pedido ambivalente: mais do que morrer, a pessoa quer viver sem o sofrimento ou a solidão que experimenta e o seu pedido é um alerta desesperado de chamada de atenção para esse sofrimento ou essa solidão. Também há que considerar que a vontade do doente terminal é muito volátil, oscila entre esse desespero e o apego à vida, sendo a decisão de pôr termo à vida é a mais irreversível de todas (dela nunca pode voltar-se atrás). Nunca saberemos se a pessoa que pede para morrer não mudaria de ideias e não se arrependeria do que disse em situação de desespero (como se arrependem muitas pessoas que tentam suicidar-se e disso são impedidas). Poderemos alguma vez ter certezas a este respeito? Deve valer aqui a máxima: in dubio pro vita.
De qualquer modo, as propostas de legalização da eutanásia e do suicídio assistido não levam às últimas consequências a prevalência do valor da autonomia sobre o valor da vida. Se o fizessem, deixariam de ser crime, em quaisquer circunstâncias, o homicídio a pedido e o auxílio ao suicídio. O que se propõe é que o deixem de ser apenas em determinadas circunstâncias, aquelas em que a vida “perde dignidade” (é esta a expressão usada nalgumas dessas propostas) e deixa de merecer proteção. É, assim, derrubado o segundo dos alicerces a que me referi de início: o de que a vida nunca perde dignidade e valor (não há “vidas indignas de ser vividas”) e nunca deixa de merecer proteção.
Dir-se-á que com a eutanásia e o suicídio assistido se pretende eliminar o sofrimento. Mas, se virmos bem, a eutanásia e o suicídio assistido não eliminam o sofrimento, eliminam a vida da pessoa que sofre (da mesma forma que não se combate a pobreza eliminando a vida dos pobres, ou – como por vezes se advoga – impedindo que eles nasçam). Trata-se de desistir de combater e aliviar o sofrimento, apresentando a morte provocada como resposta para esse sofrimento. O modo de combater e aliviar o sofrimento passa pelo recurso aos cuidados paliativos (que permitem eliminar o sofrimento insuportável) e pelo amor para com quem sofre.
Dir-se-á que, mesmo assim, há sofrimentos que não podem ser evitados. Dar sentido ao sofrimento inevitável é o desafio próprio da condição humana, um desafio com que cristãos, crentes de várias religiões, agnósticos e ateus serão sempre confrontados e a que não podem escapar: em qualquer fase da vida, na saúde ou na doença, o sofrimento, físico, psíquico ou espiritual, é incontornável. Muitas respostas podem ser dadas nessa busca de sentido. A morte provocada é que não pode ser uma resposta: será o maior dos fracassos nessa busca.
A legalização da eutanásia e do suicídio assistido em situações marcadas pela doença, pela deficiência e pelo sofrimento tem um alcance que vai muito para além de casos isolados, tem um alcance social e cultural. Não se trata apenas de respeitar a vontade das pessoas que pedem para morrer nessas situações. O Estado, a ordem jurídica e os serviços de saúde, ao satisfazer tal pedido, estão a afirmar que nessas situações a vida perde dignidade e deixa de merecer proteção (é precisamente por isso que passa a ser lícito suprimi-la). Subjacente à legalização da eutanásia e do suicídio assistido está uma mensagem cultural de desvalorização da vida nessas situações. E isto tem consequências de vasto alcance. As pessoas que experimentam a doença e o sofrimento não são encorajadas, como não são encorajadas as suas famílias e todas as pessoas que delas cuidam, quando se afirma que a vida perde valor e dignidade nessas situações e quando se apresenta a morte provocada como resposta para elas. Perante o desespero de quem pede a morte por considerar que a sua vida não tem valor, ou que é um peso para os outros (dizem as estatísticas do primeiro Estado norte-americano que legalizou o suicídio assistido, o Oregon, que essa motivação é mais frequente do que a relativa ao sofrimento para o próprio), a resposta da sociedade e do Estado não pode ser a de confirmar essas ideias, satisfazendo tal pedido, deve ser, pelo contrário, a de recusar tal pedido, precisamente porque a vida dessa pessoa não deixou de ter valor, ela não é um peso para os outros, e a morte não é a resposta para os seus problemas.
Não é por acaso que associações de pessoas com deficiência (designadas Not dead yet – mortos ainda não) se opõem com firmeza à legalização da eutanásia e do suicídio assistido. Porque, mesmo que cada um dos membros dessas associações opte pela vida, o clima cultural que essa legalização favorece, ao apresentar a morte como resposta aos seus problemas (como se fosse melhor para elas que morressem, como se estivessem better off dead), afeta todas as pessoas com deficiência.
Quando se derrubam os alicerces de um edifício, ele acabará por cair, não é possível conter a derrocada. Porque a legalização da eutanásia e do suicídio assistido abala os dois referidos alicerces, também não será possível limitá-la a casos excecionais. Progressivamente, o seu campo de aplicação vai-se estendendo (como sugere a imagem da rampa deslizante, onde se desce sem ser possível travar), mesmo que a lei pretenda restringi-lo a casos excecionais. Esse alargamento pode dar-se através de uma interpretação lata das normas, de um seu incumprimento sem consequências, ou de uma posterior alteração da lei num sentido mais permissivo. Isso verificou-se na Holanda e na Bélgica. É uma consequência lógica e previsível, não um acaso. Uma consequência do derrube de cada um desses dois alicerces.
Se se derruba o alicerce da proibição de matar em nome da prevalência do valor da autonomia sobre o valor da vida, a consequência lógica será a de estender as situações da licitude da eutanásia e do suicídio assistido da doença terminal para a doença crónica, do sofrimento físico para o sofrimento psíquico, e até das situações de doença para as situações de simples vontade de pôr termo à vida (discute-se atualmente na Holanda uma proposta de legalização da eutanásia de qualquer pessoa com mais de setenta anos, mesmo que não esteja doente). Afinal, se o que justifica a eutanásia e o suicídio assistido é a autonomia da pessoa, porque é que esta só há de prevalecer em situações excecionais, em situações de doença terminal, ou em situações de doença?
Se se derruba o alicerce do princípio de que a vida humana nunca perde dignidade e nunca deixa de merecer proteção, se passa a considerar-se que a morte provocada pode ser um ato de compaixão quando a vida perde dignidade; pode justificar-se a eutanásia mesmo quando a pessoa tem incapacidade para exprimir a sua vontade, porque se parte do princípio de que essa morte será preferível à sua vida marcada pela deficiência, a doença e o sofrimento. E se essa morte é um bem, porque é que há de ser exigido o consentimento quando a pessoa é incapaz de o dar? Por isso, na Holanda é lícita a eutanásia de crianças recém-nascidas com deficiência graves e é frequente a prática da eutanásia em pessoas com deficiências profundas ou com demência, incapazes de exprimir a sua vontade. Está aberta a porta à eutanásia não voluntária.
É tudo isto que está em jogo quando se discute a legalização da eutanásia e do suicídio assistido.


Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.