Avançar para o conteúdo principal

Eutanásia, que argumentos?

 
Além de clarificar conceitos, que tanta confusão suscitam, este texto procura também provocar a reflexão, tendo como ponto de partida os argumentos dos defensores da eutanásia. No final, apontam-se caminhos para acolher a vida.

1) Antes de tudo clarificar conceitos, práticas e situações.
-“Desligar as máquinas”, como se costuma dizer, quando são claros os indicadores de morte cerebral, não é eutanásia. Também não o é suspender tratamentos e suportes artificiais, por vontade do doente, sobretudo se se considera já ser um processo irreversível.
– Seria também má prática médica continuar com tratamentos fúteis, sem efeito curativo nessas situações. A isso se chama “encarniçamento” ou “obstinação” terapêutica.
– Boa prática médica é deixar esse tipo de intervenções, para dar lugar aos Cuidados Paliativos. Essa disciplina e ciência médica, tão importante, não consiste apenas em tirar as dores, mas também em proporcionar à pessoa um acompanhamento humanizado, atento aos grandes sofrimentos que são de ordem afectiva, psicológica, social e espiritual. Estes cuidados não existem para se opor à eutanásia; devem ser a boa prática comum, sobretudo quando os cuidados curativos já são inúteis ou contra-indicados: são os cuidados que atendem à dignidade da pessoa toda, em situações terminais ou sem cura.
– Também não é eutanásia, nem sequer “eutanásia aos bocadinhos”, a medicação certa que possa ter, como efeito secundário, algum encurtamento do tempo de vida. Aliás, todo o medicamento tem contra-indicações, que, assumidas, são o reverso bem ponderado da boa prática clínica.
– Igualmente não é eutanásia que a própria pessoa doente não queira ser tratada, com esforços e trabalhos especiais, e apenas deseje que a natureza siga o seu processo natural. Sobretudo quando isso permite que viva os seus últimos tempos (que podem ser largos!) dispondo da sua vida e tratando dos seus interesses e relações.
– Eutanásia é matar uma pessoa doente ou sofrida, a seu pedido. Em princípio é a morte provocada intencionalmente, por uma acção ou omissão,por um profissional de saúde.

2) Posto isto, costuma defender-se a eutanásia com os seguintes argumentos:
– Seria uma “morte digna”.
Mas será que uma pessoa sofrida, limitada e diminuída perdeu a sua dignidade? E se for bem tratada, bem acompanhada, ajudada a dar sentido à situação, experimentando o amor e o respeito dos seus e da comunidade?
– Para tirar um “sofrimento insuportável”…
Mas a eutanásia não tira a dor nem o sofrimento: tira a vida. O que corrige isso é a ciência dos paliativos e o seu enquadramento humano.
– Para respeitar a “liberdade” de querer morrer!
É preciso saber que “liberdade” é essa, e o que significa esse grito de mal-estar da pessoa, que, tantas vezes, termina quando há atenção, apoio humano, compreensão e ajuda na solidão ou na dificuldade de dar sentido à sua situação. Mas, quando, em vez disso, lhe fazemos sentir que é um peso, um grande encargo económico e emocional… então está-se a empurrá-la para esse “desejo”: que a matem. Falsa saída, curto-circuito, demissão dos acompanhantes.

(Stephen Hawking, com a sua doença incurável perdeu a dignidade? Ou tê-la-ia perdido se não tivesse meios humanos e económicos, etc.?)
(Ramón Sampedro, tetraplégico, queria morrer, porque, dizia, “uma vida sem sexo não tem sentido!”Não terá mesmo? Será um argumento válido?)

– Por “compaixão”.
Compaixão é a grandeza de espírito que acompanha o outro até ao fim. Se não se é capaz de o fazer, por fraqueza pessoal, então: “mato porque não aguento” (o meu próprio sofrimento ao vê-lo sofrer); por isso desisto. Não se resolvem problemas nossos matando outros. (Mesmo que seja decisão da maioria: isso não quer dizer que tenha razão!)
– Porque é preciso ter “coragem” para não ficar preso a tabus religiosos em vez de libertar os que sofrem.
Esta grande falácia revela a fraqueza de quem justifica a violência por um mundo plastificado, sem lugar para os fracos, deficientes, etc. E o mundo já viu onde levam essas ditaduras: um mundo mais “limpo” de quem não interessa ou de quem nos “pesa”.
– Por “decisão médica”sobre quem já não tem futuro (ou por “respeito” por quem não quer viver!).
Mas matar (a não ser em legítima defesa) nunca poderá ser um Acto Médico. E se essa falta de ética médica se legalizar, então será uma grande machadada na credibilidade médica. E os médicos “eutanasistas” deveriam usar um “crachat” identificativo. E qualquer utente devia ter o direito de os rejeitar.

3)      O que é preciso:
– criar condições médicas, sociais, económicas, afectivas, espirituais, para que cada caso, sem legalizações generalistas, possa ser acompanhado com todo o cuidado e dignidade que precisar.
– ter verdadeiro respeito pela dignidade da pessoa frágil. Dizer que “não há dinheiro, nem camas nos hospitais, nem equipas preparadas, etc.”, e não tomar isso como prioridade, é uma irresponsabilidade. São essas pessoas que, antes de mais, nos abrem os olhos para a realidade da fragilidade de todo o ser humano e assim nos humanizam e mobilizam para um mundo mais justo.
– é urgente uma educação, desde cedo, para o valor de toda a vida humana, para a não-violência e para o desmascarar de soluções contra-natura, para a corresponsabilidade e atenção aos mais fracos, e para a capacidade de dar sentido a todas as situações (até às menos desejáveis) que nos possam acontecer.
– denunciar as falsas soluções com aparência de bem (pragmático, rápido, limpo, economicista, mas nada ecológico) sob a capa de direitos de liberdade e dignidade individualistas, sem deveres quanto ao bem-comum e à prioridade da pessoa humana.
– tomar consciência de que se trata de uma questão ética. Ou seja, da exigência de procurar o bem maior da pessoa e os caminhos para um mundo mais humanizado e com mais futuro para todos. Isto é: como pôr o conhecimento científico, social, técnico e económico, ao serviço da justiça e do bem-comum. A ética (a moral) depende da antropologia: de quem somos e queremos ser para ser mais Humanos. E é sobre isso que nos devemos entender.

Por Pe. Vasco Pinto Magalhães, Sj 

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.