Avançar para o conteúdo principal

A família ou uma carreira? A Família


Para ser valioso é preciso ser útil. Muitos pensam que o seu valor depende do que têm, da sua carreira ou da posição social que ocupam.

A liberdade individual deve ser respeitada. Mas por mais irresponsável que alguém seja, cabe sempre a cada um arcar com as consequências das suas escolhas.
A família ou uma carreira? Para muitos não há opção. Alguns não têm família, outros estão desempregados. A maior parte tem de conjugar as duas, mas a verdade é que, desde há alguns anos, só em casos raros e passageiros se consegue um perfeito equilíbrio.
Família e carreira exigem tudo, cada uma para si, sem concederem grande espaço à outra. Trata-se de uma dupla exclusividade que é, por si só, um paradoxo: a simples coexistência da família e de uma carreira é já motivo de uma escolha impossível, porque a inevitável tentativa de conciliação é sinónimo de um duplo fracasso.
Quem trabalha e tem uma família vive com sacrifícios permanentes e culpas duradouras.
Outros têm uma família com vários problemas, que se agravam por falta de tempo ou atenção para cuidar deles. Tudo piora e torna-se cada vez mais cómodo estar longe… e piora ainda mais…
Para ser valioso é preciso ser útil. Muitos pensam que o seu valor depende do que têm, da sua carreira ou da posição social que ocupam. A esmagadora maioria de nós defende que nada há mais importante do que a família, porém depois apenas nos empenhamos a nível profissional, deixando a família para os tempos livres… ou, de forma ainda mais simples: para depois.
Talvez importe que cada um de nós pense bem na sua vida e nos objetivos a que se propõe, sem ingenuidades. A carreira é importante, mas apenas e só enquanto instrumento ao serviço de um outro fim.
A família exige tudo, quase sempre em troca de nada… mas só aí se pode ser feliz.
(ilustração de Carlos Ribeiro)

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.