Avançar para o conteúdo principal

Já não quero saber!

Cruzamos os braços. Pousamos as espadas que nos fazem ir à luta e sossegamos. Rendemo-nos. Abraçamos os dias por obrigação e damos casa à preguiça. Fazemos-lhe um jantar confortável e confortamo-la. Descansamos à sombra de conquistas antigas e contentamo-nos com o que vier e com o que houver. Fechamos as mãos.
Adiamos os momentos bons que prometemos arrancar à vida. Fechamos os olhos. A quem passa. A quem fica. A quem não tem nada. A quem tem tudo mas continua triste. A quem nos segurou a porta e nos deu a gentileza do dia. A quem partilha connosco os dias e as horas. A quem vemos dia sim, dia não. Vestimos a mesma roupa de viver todos os dias. Repetimos os gestos como quem lhes perdeu o rasto. Baixamos a cabeça como quem anda à procura de razões para se levantar. Aumentamos o volume do rádio e perdemo-nos nas palavras de quem não nos conhece. Abrimos as janelas poucas vezes. Por causa do ar condicionado. Ou porque nos condicionámos a um ar rarefeito e entristecido. Mesmo quando faz sol. Já não faz sol porque já não queremos saber. Rendemo-nos. Ao que esperam de nós. Ao que deixámos de esperar. Já não queremos saber. Chuva ou sol. Doce ou salgado. Céu azul ou tormenta. Paz ou guerra. Dor ou alegria. Dança ou inércia. Cheio ou vazio. Louco ou tranquilo. Sonho ou realidade. Verdadeiro ou falso. Bonito ou feio. Bom ou mau. Pouco interessa. Pouco importa. A pouco sabe. É a pouco que nos sabe a vida quando, perante o que nos acontece, a resposta é sempre a mesma: Já não quero saber.

Quem nos terá ensinado a não querer saber? Ninguém. Nós é que fomos obrigados a abandonar o recinto antes do combate acabar. Desistimos de insistir no que não muda nem passa. Ainda assim, vale a pena querer cheio. Querer sol. Querer tranquilidade. Querer paz. Querer alegria. Querer doce. Querer bonito. Querer o bom. Querer o Bem. Querer bem.

“Já não quero saber” é virar as costas ao que está para vir. E de costas voltadas não se vê o caminho. Lá à frente. Onde o trilho continua. Continuamos. Porque (ainda) queremos saber.

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Oração de Consoada 2017

Maria de Nazaré, Contigo cantamos as maravilhas de Deus. A tua espera, hoje nos enche de alegria! Com ela aprendemos o prazer de esperar... e por meio dela vivemos agora habitados pelo infinito...
José, filho de David, A tua espera, hoje surpreende-nos... Estamos maravilhados, porque Deus Entra no nossa vida e na nossa história Para nos oferecer a esperança da vida eterna.
Jesus, Deus connosco, O desejo de ti, faz-nos hoje experimentar a tua presença viva, simples e dócil. Sentado à nossa mesa, convives connosco nesta noite E nos interpelas com a tua ternura.
Sagrada família de Nazaré, Neste Natal, faz-nos sair ao encontro Dos rostos concretos daqueles que mais precisam. Não nos deixes acomodar diante desta mesa rica, Mas interpela-nos diante da pobreza e da injustiça.
Deus, Pai nosso, Abençoa-nos e abençoa estes alimentos Que em família reunida tomamos. Mas não nos deixes cair na tentação da indiferença. Dai pão a quem tem fome e fome de justiça a quem tem pão.
Amen!

Um cristão não pode dizer “sou contra homossexuais”

Convém recordar que Jesus Cristo está depois do Antigo Testamento e que, na sua passagem pela terra, deu sempre lugar de destaque às prostitutas, sobretudo a Maria Madalena. E, já agora, não será Mateus 19:12 uma aceitação da naturalidade da homossexualidade? “Alguns eunucos são assim porque nasceram assim”.