Avançar para o conteúdo principal

Igreja erra ao olhar os jovens «como futuro», quando também têm «uma palavra no presente»

Tornar a Igreja mais próxima dos jovens e, numa diocese geograficamente periférica, chegar através da cultura aos locais mais remotos, constituíram duas das prioridades da intervenção da referente da Pastoral da Cultura de Bragança-Miranda este sábado, em Fátima.

«Caímos muitas vezes no erro de olhar para os jovens como o futuro da Igreja, esquecendo que eles têm de ter também uma palavra no presente da Igreja», sublinhou Fátima Pimparel na 13.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, que debateu o tema "'Out of the box: A relação dos jovens com a Cultura".
Na conferência, que pode ser vista na totalidade no vídeo após este texto, a responsável manifestou «preocupação» pelo facto de o documento preparatório do próximo Sínodo dos Bispos, que em 2018 se vai centrar nos "jovens, a fé e o discernimento vocacional", «não ter sido ainda alvo de atenções».
«Depois queixam-se de que os sínodos não são caminhar juntos, que é isso que significa o sínodo», vincou, antes de sublinhar: «Os documentos preparatórios são entregues muito antes precisamente para que se preparem os sínodos, e de facto temos dado pouca atenção a este documento».
Fátima Pimparel expressou o desejo de que na Igreja em Portugal a Jornada Nacional da Pastoral da Cultura seja «uma chamada de atenção para a necessidade de se olhar para o documento preparatório».
Sobre a realidade da ação da Igreja entre a juventude da diocese transmontana, a referente explicou que aos 18 anos a «grande maioria» dos jovens «sai e não volta», pelo que que não se pode falar de Pastoral Juvenil, mas «Pastoral da Adolescência».
A preferência do Secretariado é «levar atividades a zonas mais rurais, abrir a porta e mostrar aquilo que são as expressões culturais e artísticas da diocese de Bragança-Miranda», e convidar para visitar o território os artistas mais distantes, «fazendo do longe perto» O «grande cancro da Igreja» em Portugal ocorre aquando do Crisma, apelidado de "sacramento do adeus" por marcar a despedida da Igreja, situação que o papa Francisco também mencionou aquando da visita "ad limina" dos bispos a Roma, em 2015, quando se referiu a «um vazio na oferta paroquial de formação cristã juvenil pós-Crisma».
Para Fátima Pimparel, «levar os jovens a participar uma vez [nas atividades] não é difícil; o difícil é que eles voltem».
Mesmo as Jornadas Mundiais da Juventude, que concentram doses elevadas de entusiasmo, nem sempre têm reflexos nas dioceses: «Por vezes os frutos dessas experiências esbatem-se ao fim de pouco tempo. A manutenção é que é a dificuldade», apontou, acrescentando que se olha muito «para o grupo de jovens e atenta-se pouco no jovem concreto».
Referindo-se ao Secretariado Diocesano da Pastoral da Cultura, a que preside, Fátima Pimparel salientou que uma das prioridades é a «descentralização» de eventos, agendando-os para fora de Bragança, opção «muito importante porque há vilas e cidades que não têm qualquer proposta cultural durante muitos meses».
«Há poucos dias levámos uma peça de teatro dos jovens do Seminário Conciliar de Braga a Vinhais, vila onde vive pouca gente; quando abriu a cortina, aqueles 11 jovens ficaram dececionados porque já tinham feito cinco apresentações na arquidiocese de Braga sempre com casa cheia, e viram poucas pessoas. Mas em Vinhais, essas poucas pessoas são muitas», exemplificou.
A preferência do Secretariado é «levar atividades a zonas mais rurais, abrir a porta e mostrar aquilo que são as expressões culturais e artísticas da diocese de Bragança-Miranda», e convidar para visitar o território os artistas mais distantes, «fazendo do longe perto».

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -