Avançar para o conteúdo principal

Papa escreve às famílias de todo o mundo com mensagem de «misericórdia»

Francisco convida a aprofundar conteúdos da exortação apostólica pós-sinodal «Amoris Laetitia»

Cidade do Vaticano, 30 mar 2017 (Ecclesia) - O Papa Francisco escreveu uma carta às famílias de todo o mundo, publicada hoje pelo Vaticano, para dirigir-lhes uma mensagem de “misericórdia”, com atenção às “feridas” da humanidade.
“Sonho com uma Igreja em saída, não autorreferencial, uma Igreja que não passe longe das feridas da humanidade, uma Igreja misericordiosa que anuncie o coração da revelação de Deus Amor, que é a misericórdia”, refere o texto, que apresenta o próximo Encontro Mundial das Famílias (EMF).

O 9.º EMF vai decorrer na capital irlandesa, Dublin, de 21 a 26 de agosto de 2018, sobre o tema ‘O Evangelho da família: alegria para o mundo’.
Francisco escreve que é a misericórdia que torna as pessoas “novas no amor”.
“Sabemos como as famílias cristãs são lugares de misericórdia e testemunhas de misericórdia; depois de Jubileu da Misericórdia ainda o serão o mais e o encontro de Dublin poderá dar sinais concretos disso”, sustenta.
O Papa manifesta o desejo de que as famílias possam “aprofundar a reflexão e a partilha dos conteúdos da exortação apostólica pós-sinodal ‘Amoris Laetitia’”.
“Poderíamos perguntar: O Evangelho continua a ser alegria para o mundo? E também: A família continua a ser uma boa notícia para o mundo de hoje?”, questiona.
A mensagem papal defende que a resposta a estas perguntas é “sim”, um “sim” que está “firmemente fundado no plano de Deus”.
“O amor de Deus é o seu ‘sim’ a toda a criação e o coração da mesma, que é o homem. É o ‘sim’ de Deus a união entre o homem e a mulher, aberta à vida e a ao seu serviço em todas as suas fases”, pode ler-se.
O texto fala na necessidade de responder a uma humanidade ferida e “dominada pela falta de amor”.
“Quero insistir na importância de as famílias se perguntarem, regularmente, se vivem a partir do amor, pelo amor e no amor. Isto significa, concretamente, dar-se, perdoar-se, não perder a paciência, antecipar-se ao outro, respeitar”, precisa o Papa.
Francisco insiste nas três expressões-chave para a vida familiar: “com licença”, “obrigado”, “desculpa”.
“Todos os dias experimentamos a fragilidade e a debilidade, por isso todos nós, famílias e pastores, precisamos de uma humildade renovada que plasme o desejo de formar-nos, de educar-nos e de ser educados, de ajudar e ser ajudados, de acompanhar, discernir e integrar todos os homens de boa vontade”, assinala, depois.
O texto conclui-se com votos de que os organizadores do 9.º EMF assumam a tarefa de “conjugar de uma forma especial o ensinamento da Amoris Laetitia”, com a qual a Igreja Católica deseja que as famílias “estejam sempre a caminho”, numa “peregrinação interior”.
O responsável pelo novo Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé), cardeal Kevin Joseph Farrell, disse em conferência de imprensa que o Papa quer marcar presença no EMF 2018, “se puder e as circunstâncias o permitirem”.
Já o arcebispo de Dublin, D. Diarmuid Martin, sublinhou aos jornalistas o “fascínio” que a figura do Papa tem gerado em pessoas dos mais diversos ambientes, “mesmo nos que não pertencem à Igreja”.
OC
Agência Ecclesia
30 de Março de 2017,

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.