Avançar para o conteúdo principal

O filho não nascido mas por Deus dado

A pequena urna branca está diante do altar. A igreja repleta de gente, num silêncio atónito e comovido. Uma multidão de amigos aperta-se junto aos pais de Pedro Maria Adeodato, morto na barriga da mãe poucas semanas antes do termo da gravidez. Chamaram-no assim, colocando-lhe o nome do grande amigo de Jesus, o da Virgem e um terceiro que significa "dado por Deus". Um dom que os pais não quiseram renunciar depois de os médicos terem diagnosticado uma grave malformação incompatível com a vida. E assim viveram sete meses, rezando e esperando, pedindo o milagre da cura a par do da conversão do coração? Porque é que pôde acontecer? Que sentido tem uma morte tão atroz? Apetece dizer que não há palavras para responder.

E todavia, há. São as palavras que a graça de Deus colocou na boca dos pais e que se depositam de maneira indelével no coração de quem participou num funeral difícil de esquecer. Quando souberam do infeliz diagnóstico, o pai e a mãe escreveram aos amigos uma carta que encerra o sentido do que estava a acontecer e que lhes permitiu viver o tempo da espera com a consciência de que somos feitos - todos - para um destino bom, uma consciência que talvez eles próprios não imaginavam poder ter. «É-nos pedido um sacrifício. Ou seja, tornar sagrado a nossa relação com o Pedro, o que quer dizer vê-lo como o vê Deus: com virgindade. Este sacrifício é uma responsabilidade enorme quanto à nossa fé e à nossa vida. Ser tocados pela graça é isto: ver as coisas como Cristo.

«Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor»: o excerto de S. Paulo que é lido do púlpito descreve a posição vertiginosa que os pais do pequeno Pedro puderam ter nestes meses de ansiosa expetativa, pela graça de Deus mais do que por um heroísmo impossível.

Às vezes o Mistério toca-te com uma carícia (como quando nós dois nos conhecemos), outras vezes de maneira mais decisiva e com traços violentos. Ver uma coisa com virgindade pede-te, antes de tudo, que perguntes e verifiques onde está o teu coração, o teu centro afetivo: onde está a tua felicidade. Parece por vezes dado como adquirido dizer que a felicidade está em Cristo. No nosso caso não o é por nada: a nós é pedido reconhecer que a nossa felicidade não está no Pedro, mas em Jesus. Não está em jogo apenas o nosso filho, mas a relação com Ele. Uma amizade que nos pede tudo.»
A eles, verdadeiramente, foi pedido tudo, um "sim" total e incondicional. Por isso decidiram celebrar o funeral na mesma igreja onde alguns anos antes se tinham unido em matrimónio, proclamando um "sim" que os ligava para toda a vida. E aquela igreja - por uma coincidência que diz muito das dinâmicas misteriosas que movem a existência - é dedicada a S. Pedro, o mesmo nome que acompanharam num percurso misterioso, confiando-se a um Outro. Reconhecer que a vida é um mistério nas mãos de um Outro é a única maneira para dar-se razões do que aconteceu.
A fé fá-lo intuir mesmo dentro de uma dor inenarrável, que chegar até a experimentar a abrasividade da morte. «Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor»: o excerto de S. Paulo que é lido do púlpito descreve a posição vertiginosa que os pais do pequeno Pedro puderam ter nestes meses de ansiosa expetativa, pela graça de Deus mais do que por um heroísmo impossível. Quando o funeral termina e se abrem as portas da igreja, um raio de sol pousa levemente sobre os presentes.
É um sinal, inesperado, que parece evocar as palavras de um canto entoado pouco antes: «Não vos rendais à escuridão que as coisas devora, agora é noite mas o dia virá, ainda». Num mundo que vive no ceticismo e que deixou de saber dar-se as razões para viver, pode acontecer descobrir estas razões quando se está diante da morte. Podem acontecer coisas como estas, num funeral. Coisas do outro mundo. Neste mundo.

Giorgio Paolucci
In "Avvenire"

Trad.: SNPC Publicado em 29.03.2017

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.