Avançar para o conteúdo principal

O amor é tão importante como a água

Naquele dia, Maria saiu cedo de casa. Mais cedo do que era comum, porque a sua amiga que vivia só morava longe e precisava da sua ajuda, apesar de não ter tido coragem de lha pedir.

Os anos pesavam a Maria, mais de 80… mas a sua vontade e determinação eram grandes. Aprendera, desde criança, que as necessidades mais básicas são as mais importantes. As nossas e as dos que nos estão mais próximos. Só depois é que, se sobrarem forças e tempo, nos podemos e devemos preocupar com problemas de menor importância.


Maria caminhou durante mais de uma hora. Pôde pensar em tudo, mas as suas dúvidas e dores nunca lhe travaram as pernas. Sabia bem onde precisavam dela. Ia… aonde outros não iam. Ia… porque não era como os outros.

A amiga morava numa casa rodeada de outras em ruínas, mortas de forma lenta e cruel pelo tempo. Respirava-se miséria e fome. A única esperança era a de que aquele inferno acabasse. Contudo, a certeza de que outros também sofrem e podem precisar mais do que nós das nossas forças e talentos lança sobre este cenário uma verdade tão crua quanto bela. Os pobres ajudam-se. Conhecem melhor do que ninguém o valor do essencial e a riqueza de dar.

Encontrou a amiga prostrada naquela casa escura e fria, sem água nem amor.

A amiga de Maria não vivia… morria. Respirava apenas para sobreviver. Tudo o resto era só morrer.

Maria foi buscar água. Deu-lha de beber, lavou-lhe a cara e as feridas mais profundas… cuidou de lhe escutar todos os ais. Quando a amiga lhe perguntou pelo porquê de tanto esforço e cuidado, Maria logo lhe respondeu com um silêncio profundo, no qual se fez luz.

Maria preparou uma panela de sopa enquanto ia cantarolando muito baixinho uma melodia celestial, que expulsava, um a um, todos os males que haviam tomado aquela casa como sua…

A amiga chorava e sorria por se saber na presença de Deus. Sentia-se amada e esse amor havia despertado o seu. Abraçaram-se.

Maria disse-lhe:

- Neste abraço encontro as asas que me levam ao céu. Não vim para o receber… vim apenas para ser útil. Vim para poder continuar a ser eu, ajudando a que também tu possas ser quem és. Vou em paz porque te deixo em paz. Levo mais do que trouxe. Levo o coração cheio de bondade, beleza e verdade… levo o coração cheio de ti. Obrigada.

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.