Avançar para o conteúdo principal

O amor é tão importante como a água

Naquele dia, Maria saiu cedo de casa. Mais cedo do que era comum, porque a sua amiga que vivia só morava longe e precisava da sua ajuda, apesar de não ter tido coragem de lha pedir.

Os anos pesavam a Maria, mais de 80… mas a sua vontade e determinação eram grandes. Aprendera, desde criança, que as necessidades mais básicas são as mais importantes. As nossas e as dos que nos estão mais próximos. Só depois é que, se sobrarem forças e tempo, nos podemos e devemos preocupar com problemas de menor importância.


Maria caminhou durante mais de uma hora. Pôde pensar em tudo, mas as suas dúvidas e dores nunca lhe travaram as pernas. Sabia bem onde precisavam dela. Ia… aonde outros não iam. Ia… porque não era como os outros.

A amiga morava numa casa rodeada de outras em ruínas, mortas de forma lenta e cruel pelo tempo. Respirava-se miséria e fome. A única esperança era a de que aquele inferno acabasse. Contudo, a certeza de que outros também sofrem e podem precisar mais do que nós das nossas forças e talentos lança sobre este cenário uma verdade tão crua quanto bela. Os pobres ajudam-se. Conhecem melhor do que ninguém o valor do essencial e a riqueza de dar.

Encontrou a amiga prostrada naquela casa escura e fria, sem água nem amor.

A amiga de Maria não vivia… morria. Respirava apenas para sobreviver. Tudo o resto era só morrer.

Maria foi buscar água. Deu-lha de beber, lavou-lhe a cara e as feridas mais profundas… cuidou de lhe escutar todos os ais. Quando a amiga lhe perguntou pelo porquê de tanto esforço e cuidado, Maria logo lhe respondeu com um silêncio profundo, no qual se fez luz.

Maria preparou uma panela de sopa enquanto ia cantarolando muito baixinho uma melodia celestial, que expulsava, um a um, todos os males que haviam tomado aquela casa como sua…

A amiga chorava e sorria por se saber na presença de Deus. Sentia-se amada e esse amor havia despertado o seu. Abraçaram-se.

Maria disse-lhe:

- Neste abraço encontro as asas que me levam ao céu. Não vim para o receber… vim apenas para ser útil. Vim para poder continuar a ser eu, ajudando a que também tu possas ser quem és. Vou em paz porque te deixo em paz. Levo mais do que trouxe. Levo o coração cheio de bondade, beleza e verdade… levo o coração cheio de ti. Obrigada.

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.