Avançar para o conteúdo principal

Falta de leitura Bíblica está a criar «adultos menos cultos»

A escritora Alice Vieira lamentou hoje a falta de leitura bíblica que existe na sociedade portuguesa, em especial “entre as crianças”, facto que está a gerar adultos “menos cultos” e "incapacidade para resistir"
A escritora participou na conferência «As artes de narrar a Bíblia», que integrou a 5ª Jornada de Teologia Prática, na Universidade Católica Portuguesa, onde deu conta do processo de escrita do livro «Histórias da Bíblia Para Ler e Pensar», da sua autoria.
“Enquanto as crianças não lerem as histórias da Bíblia, estaremos a criar adultos menos cultos”, sublinhou à Agência ECCLESIA.

Alice Vieira recordou ter sido o seu marido, “profundamente católico e comunista” que lhe ofereceu a sua primeira Bíblia, depois de ter crescido “com diferentes famílias”, todas elas “anticlericais”.
“Era muito normal ler-se a Bíblia lá em casa. O meu marido disse-me para a ler e, quando eu quisesse encontrar uma resposta para a minha vida a abrir ao acaso. Ainda hoje o faço e encontro a resposta que preciso”.
Segundo a escritora na “Sagrada Escritura encontramo-nos a todos: por vezes não gostamos de nos ver, mas é o nosso retrato”.
“A leitura da Bíblia faz falta para entender o mundo, nos entendermos a nós, para termos o coração forrado, para possuir instrumentos para resistir a esta fase da vida”.
Lançadas em 2009, as Jornadas de Teologia Prática são um projeto da Faculdade de Teologia e do Instituto de Ciências Religiosas da UCP, em parceria com o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.
A edição deste ano conta com oradores das mais variadas áreas, como a escritora Alice Vieira, o jornalista Francisco Sarsfield Cabral e a atriz Maria do Céu Guerra.

Agência Ecclesia


Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.