Avançar para o conteúdo principal

ADVENTO EM FAMÍLIA - CONSTRUIR A CASA DA SAGRADA FAMÍLIA

O ano pastoral da Arquidiocese tem, em 2016/2017, um desafio mariano: “A Fé Contemplada”. A alegria de ser discípulos missionários entusiasma- nos a viver de forma renovada este Ano Pastoral. Fazemo-lo, assumindo a celebração nacional do Centenário das Aparições em Fátima (1917-2017), na perspetiva da fé contemplada. Neste ano, propomo-nos continuar a redescobrir a nossa identidade cristã e o dom da fé, numa contínua adesão e conversão a Jesus Cristo, através da contemplação das maravilhas que Deus opera em Maria e na nossa própria vida pessoal, familiar, paroquial e social. Deste modo, como Maria, somos felizes, porque acreditamos!
A oração é uma das principais fontes da alegria e felicidade, em que se renova a nossa fé na luz, guia e companhia de Maria. Por isso, na nossa caminhada do Advento e Natal, julgamos oportuno propor a oração do rosário (ou parte dela). Posto isto, cada família é convidada a construir a “Casa” para a Sagrada Família.

O assentimento de Maria – no Fiat e no Magnificat – evidência substancialmente o acolhimento que Maria faz do chamamento de Deus, da proposta divina para ser Mãe do Messias, e a correspondência que está disposta a fazer da sua vida à vontade de Deus. Por isso, foi escolhido como tema desta caminhada litúrgica, espiritual e pastoral: “Faça-se em mim, segundo a Tua Palavra”.
Para exprimir todo este dinamismo numa imagem que fosse a base de trabalho e de desenvolvimento da caminhada de Advento-Natal, recorremos à figura da “Casa”, uma vez que o Plano Pastoral apresenta as Casas de Maria, como lugares de contemplação da fé: a devoção mariana (piedade popular), os santuários e as peregrinações, as famílias, a paróquia e as periferias humanas. Neste sentido, vamos construir, ao longo deste ciclo litúrgico e acompanhado o tempo forte do advento, a Casa de Maria, de José e do Menino Jesus, ou seja, a Casa para a Sagrada Família, em cada casa e família, para numa perfeita harmonia acolhermos as atitudes dela.

MAS, PERGUNTARÃO ALGUNS: TERÁ ALGUM INTERESSE A SIMPLES RECITAÇÃO DO ROSÁRIO?

“Pode a recitação do rosário abrir o mundo ao Reino de Deus? Depende do modo como o entendemos. O rosário é fundamentalmente a repetição da palavra bíblica do anúncio da Encarnação. Ora, se assim é, coloca o crente no princípio da salvação e da criação do mundo. A Encarnação é o espaço e o tempo mais importante do mundo. Ao reiterar a saudação angélica, a pessoa crente vai progressivamente entrando no domínio central da fé, esse lugar onde a eficácia da criação e da salvação se torna real. Repetindo cada dia de novo essa palavra fundadora, a pessoa vai recordando aquilo que nunca deve deixar de ser lembrado: que Deus faz, pela Encarnação, existir a vida e o mundo. Que pode haver de mais importante?” (Jorge Cunha, A recitação do Rosário, in Fermento, n.º 203, setembro/2016, p. 2). E continua o autor: “O efeito psicológico é evidente também. Que significa repetir de cor? Significa deixar o coração ser invadido pela onda da vida no seu eterno movimento. Ao repetir desinteressadamente, o espírito vai-se conformando, vai-se moldando, vai tomando as qualidades que evoca. Claro que é necessário purificar continuamente a atitude religiosa para superar a superstição. Esta é o contrário do que estamos a dizer: o supersticioso quer mudar a Deus em favor em seu próprio projeto e isso é insensato. Pelo contrário, a verdadeira oração faz a mudança da pessoa desde a força que vem de Deus. É esse o sentido da oração de petição: pedir o que Deus tem intenção de dar e não o que a pessoa tem intenção de receber que, geralmente, é algo interesseiro e mau. Uma forma de entrar na dinâmica do ano pastoral é, pois, rezar o rosário. Todas as pessoas o podem fazer e não precisam de ser vistas ou de pertencer a movimentos ou de terem lugares importantes e visíveis. Mas esta atitude religiosa é a forma mais eficaz de entrar na pastoral da Igreja” (Ibidem).

Arciprestado de Vila Nova de Famalicão



Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -