Avançar para o conteúdo principal

Entre um humor, ainda que reles, e qualquer fanatismo refinado, venha daí o humor

Virginia Woolf escreveu que “a felicidade é ter um pequeno fio onde as coisas se prendem por si”. Por vezes, o riso tem na vida a função desse pequeno fio que consegue o milagre de colar os fragmentos distantes e desavindos da própria experiência. Parece mesmo que as coisas, mesmo as mais difíceis, se prendem por si, convergem suavemente para uma repentina espécie de encaixe, sem o esforço que sabemos necessário. O riso é um instantâneo da graça, flagrante como uma iluminação. É uma resolução inesperada que reorganiza o mundo.
Aquele meu amigo estava a principiar uma análise. Como todos os que começam, não sabia bem o que estava a fazer ali, deitado naquele divã. O psicanalista tentava movê-lo para algum sítio. Sugeriu-lhe que, se sentia dificuldade em falar, pegasse num elemento do seu campo visual. Foi então que ele reparou na estrelícia que estava na jarra. E concentrou nela o seu desgosto profundo. Detestava estrelícias, confessou.
Quando era miúdo, mal saía da sua cidade, avistava uma sucessão de estufas de estrelícias. Não era uma memória feliz. Ele dizia que eram flores com uniforme. O verde monocórdico, as folhas com o seu quê de bélico, quase cortantes, a haste esticada sem nenhum encanto e aquela flor, que os que amam estrelícias dizem assemelhar-se a uma ave feérica, mas que ele arrumava na categoria dos despropósitos da natureza. E depois a longevidade. Com isso também ele implicava. As estrelícias duravam demasiado, não pareciam sequer flores. Numa das sessões seguintes, estava ele, de novo, deitado no divã e dá-se uma coincidência. De facto, as estrelícias duram muito, mas não são eternas. Naquele preciso momento, a haste da flor perde firmeza e, tombando para um dos lados, desequilibra a jarra que espalha toda a água que continha. E a sua reação foi uma gargalhada. Riu-se um bom bocado, sem qualquer inibição, e só depois pensou que poderia estar a ser indelicado para o analista. Pediu, por isso, desculpa. Mas o psicanalista disse-lhe uma coisa que valeu pelo inteiro percurso clínico: “Aprenda a não temer o seu riso. Ele provém da parte mais saudável de si.”
No livro que estou a ler, “Os judeus e As Palavras”, um ensaio em coautoria do romancista Amos Oz e da sua filha, a historiadora Fania Oz-Salzberger, diz-se que nem as religiões devem temer o riso. A família Oz informa que na teologia judaica há uma corrente chamada chutzpá e que redunda numa reverência particularmente irreverente, juntando fé, gosto pela discussão e muito, muito humor, do qual o próprio Deus não está isento. E recordam aquela anedota da avozinha que caminha com o neto pela praia quando, do nada, rebenta uma onda colossal que submerge completamente o miúdo. “Caro Deus Todo Poderoso” — diz indisposta a avó — “como é que permites que me aconteça tal desgraça! Sofri a vida inteira sem nunca ter posto em causa a minha fé! Envergonha-te.” Não passa um minuto e a criança é reposta, a salvamento, nos seus braços. Mas ela não se fica por aqui. “Caro Deus Todo Poderoso, foi até aqui muito gentil da tua parte, não tenho dúvidas. Mas onde é que está o chapéu que o meu neto trazia?” Se até com Deus podemos rir, o poder terapêutico do riso não deve ser temido. É verdade que o humor pode ser inconveniente, vulgar e grosseiro. Mas entre um humor, ainda que reles, e qualquer fanatismo refinado, venha daí o humor. Há um antigo dito hassídico que explica: “Mais do que qualquer outro pecado, devereis libertar-vos da tristeza. A tristeza não é um pecado, mas nenhum pecado endurece tanto o coração como a tristeza.”


Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -