Avançar para o conteúdo principal

Carta ao meu marido nesta fase complicada do casamento

A nossa vida é complicada neste momento, não é?
Nós não queremos que seja. Mas neste momento é. Trabalhamos para ser pagos para pagarmos contas e parece que há sempre mais meses do que dinheiro. Temos duas pessoas muito pequeninas que parecem nossos chefes, enquanto nos esforçamos por manter o controlo. Somos empurrados de tantas maneiras que, por vezes, damos por nós e estamos em lados opostos.
Acabamos por discutir. Discutimos sobre as decisões parentais e também sobre “quem é a vez de trocar a fralda”. Discutimos sobre dinheiro e sobre as vezes que escolhemos ir almoçar fora na semana passada. Discutimos sobre a roupa para lavar e passar e sobre a limpeza da casa. Discutimos sobre coisas estúpidas que, eventualmente, acabamos por nos desviar do tema e discutimos sobre outras coisas à mistura.

Isto é exaustivo. Exigimos demais de nós próprios. Horários para tudo, programas com a família, obrigações, milhares de copos de sumo de laranja entornados na carpete. Rotinas de biberão de leite e idas à casa de banho às 6h da manhã. Dizer que não a pedidos de lanche 15 minutos antes o jantar, e ter de dizer que não vezes consecutivas ao longo dos quinze minutos. E quando finalmente consigo sentar-me pela primeira vez em duas horas, já há alguém a precisar da mãe outra vez. Às vezes é difícil respirar fundo, muito menos conseguir uma pausa para fazer xixi sem interrupções.
Nós sentamo-nos muito, em frente do outro, em silêncio. Não porque não temos nada para falar, mas simplesmente porque estamos cansados de falar. Às vezes eu apercebo-me de que há coisas importantes que não te disse, simplesmente porque não calhou. Eu tenho saudades da proximidade que tínhamos quando apenas falávamos sobre nós e consumíamos o nosso tempo um com o outro. Neste momento, dormir é melhor do que sexo e jogar jogos no telemóvel é mais relaxante do que conversar.
Isso não é para dizer que eu sou infeliz. Esta é a vida com que sempre sonhamos. Não há nada nem ninguém no mundo que eu ame mais do que a ti e aos nossos filhos. A exaustão das nossas vidas é melhor do que qualquer coisa que eu consigo imaginar.
Mas o meu coração anseia por ti mais do que ninguém.
E eu sei que é tão difícil agora. Mas estou-me a aguentar.
Porque eu vou precisar de ti.
Eu vou precisar de ti para me dizeres que vai ficar tudo bem quando eu chorar no primeiro dia de jardim de infância de um dos nossos filhos. Eu vou precisar de ti para me abraçares quando receber algum telefonema com más notícias.
Eu vou precisar que me conduzas de volta quando formos deixar os nossos filhos à universidade e eles saírem de casa. E que me convenças a não ir a correr salva-los sempre que tomem uma decisão que eu considere errada.
Eu vou precisar de ti para me dares a mão quando estivermos juntos no banco da igreja no casamento dos nossos filhos. E eu vou precisar de ti para dançar comigo toda a noite. E eu vou precisar que me abraces nessa noite enquanto eu me recordar de todas as memórias da vida dos nossos filhos e estiver lavada em lágrimas porque passou tudo a correr!
Vou precisar de ti quando eu já não tiver tantos compromissos. Quando não tiver ninguém  aos gritos por sumo de laranja ou a chorar sobre os dinossauros não-existentes que vivem em seus armários. Quando já não tiver biberões para lavar e brinquedos para pisar. Quando eles só aparecerem aos fins-de-semana, e em vez de trazerem uma mala de roupa suja, trouxerem os nossos netos. Eu vou precisar que me compres um baloiço para o alpendre e vou precisar que te sentes ao meu e me lembres como somos gratos pela vida que temos.
E entre tanta coisa que irei precisar de ti, fica já a saber: eu quero-te comigo. Eu quero-te sempre comigo em todos os passos da minha vida.
Se agora nos sentamos um em frente ao outro num silêncio constrangedor enquanto esperamos esta fase da vida passar, isto é bom. Eu vou estar sempre sentada ao pé de ti para que saibas que não vou a lado nenhum. Até posso dar-te a mão. Claro, com a mão livre que não está a jogar Candy Crush.
Eu amo-te, e eu vou continuar a amar-te apesar de tudo. Para lá de tudo.
O silêncio é bom, desde que eu esteja contigo!.

Por Katie Parrish publicado originalmente em foreverymom
Traduzido e adaptado por Up To Kids®

In: http://uptokids.pt/opiniao/carta-ao-meu-marido-nesta-fase-complicada-do-casamento/

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.