Avançar para o conteúdo principal

XI Jornada da Família - Família: uma questão jurídica ou uma união de facto!?

Realiza-se no dia 21 de Maio, de 2016, a partir das 14h30, no Centro Pastoral de Santo Adrião de Vila Nova de Famalicão. A esta jornada está associado o Dia Arciprestal Jubilar da Família. Para além da formação a celebração da família. As equipas responsáveis pela Jornada deixam-nos uma primeira reflexão.

FAMÍLIA
 UMA QUESTÃO JURÍDICA OU UMA UNIÃO DE FACTO?!
XI JORNADA DA FAMÍLIA


O amor na família e o amor à família.
Poderíamos definir assim o contexto em que vamos realizar a XI Jornada da família, promovida pelas equipas de Pastoral Familiar da Unidade Pastoral de São Martinho de Brufe, São Martinho de Cavalões e de Santo Adrião de Vila Nova de Famalicão, em parceria com a Equipa Arciprestal de Pastoral Familiar de Vila Nova de Famalicão.
A família é o bem mais preciso de qualquer sociedade. É um bem a cuidar e a preservar. Cuidar da família é desde sempre um tarefa imprescindível que pertence a cada um mas também à sociedade e à Igreja. Não só porque é um bem preciso, nem porque é a base celular de qualquer sociedade, mas sobretudo porque é o berço onde nascemos, crescemos, existimos e morremos.
Em Cuba, o Papa Francisco disse: “As famílias não são um problema, são sobretudo uma oportunidade; uma oportunidade que temos de cuidar, proteger, acompanhar...”. Cuidar da família é cuidar da pessoa... Cuidar a pessoa é cuidar do futuro da humanidade: “Sem família, sem o calor do lar, a vida torna-se vazia; começam a faltar as redes que nos sustentam na adversidade, alimentam a vida quotidiana e motivam na luta pela prosperidade. A família salva-nos de dois fenómeno atuais: a fragmentação ou seja a divisão e a massificação”.

A partir destas palavras colocamos esta interrogação: “A família é uma questão meramente jurídica, que depende de uma constituição, de uma lei, de um juízo de valor, ou é de facto uma união entre um homem e uma mulher, como acontecimento natural, que traz realização e felicidade!?”
Na verdade, a realidade tem vindo a mostrar que estamos a confundir tudo, que estamos a padecer e a fazer sofrer a família devido a ideologias que igualizam tudo, negando a alteridade e a complementaridade... Estamos a descuidar esta escola do amanhã por falta de convicção e de afirmação da potencialidade da família como lugar e centro de formação da humanidade. Não estamos a cuidar da família porque a colocamos muito mais no âmbito dos laços jurídicos, portanto quebráveis de acordo com a legislação, do que na fundamentação antropológica da coexistência familiar e social, sem a considerar como uma instituição natural e desvalorizando todo o seu papel no futuro para a humanidade. Olhar a família juridicamente reduz tudo a um contrato de duas partes, que contêm letras pequenas, com o prazo de validada mais tênue que existe: até ver... Esquecemo-nos, porém, que as duas partes são duas pessoas, as letras pequenas são as particularidades da história de vida de cada uma e que terá como sequência o surgimento de novas partes (filhos). Tudo isto não cabe, nem é linguagem que o campo jurídico consiga compreender. A isto só o verdadeiro conceito de família, união plena de duas pessoas, projeto de vida a dois, abençoado por Deus no Matrimónio, pode verdadeiramente abraçar. Diz-nos o Santo Padre na exortação pós-sinodal Amoris Laetitia: “É verdade que o amor é muito mais do que um consentimento externo ou uma forma de contrato matrimonial, mas é igualmente certo que a decisão de dar ao matrimónio uma configuração visível na sociedade com certos compromissos manifesta a sua relevância: mostra a seriedade da identificação com o outro, indica uma superação do individualismo de adolescente e expressa a firme opção de se pertencerem um ao outro.(…)Isto vale muito mais do que uma mera associação espontânea para mútua compensação, que seria a privatização do matrimónio.”(AL 131)
E todo este descuidado está a entranhar-se desde o berço. Esta sociedade que não pugna o egoísmo, o egocentrismo e a autorreferência... que não elimina o hedonismo nem a autorrealização a todo custo... que individualiza todas as coisas e todas as questões... está a percorrer um caminho sem saída, pois o mais importante deixa de ser o nós para se concentrar apenas no eu, não nos nossos problemas, mas nas minhas coisas... E desta realidade surgem as divisões, separações, violências, feridas, traumas, frustrações, incompreensões... e quem mais sofre é a família... e por consequência os familiares.... “Hoje, a secularização ofuscou o valor duma união para toda a vida e debilitou a riqueza da dedicação matrimonial.” (AL 162)
Acreditamos que há um caminho: recuperar o amor na família e à família. É uma tarefa à qual a Igreja tem que se dedicar mais. Para o efeito não poderá nunca deixar de lado a alegria do Evangelho, os ensinamentos do magistério e a compreensão da antropologia cristã. Face às ideologias vigentes, para além da misericórdia, é necessário mais empenho, dedicação, convicção, e muitas vezes passar além da dor e do sofrimento do confronto entre a verdade que professamos e que nos querem fazer passar por nova verdade. Não se consegue tudo isto sem fundamentação nem amor à causa. O caminho está bem aberto pelo Papa Francisco, ao colocar a família no centro da ação pastoral da Igreja e do Mundo. Não podemos desperdiçar esta oportunidade. Que a XI Jornada da Família possa ser um gota de água no oceano de trabalho que temos pela frente. 


Pastoral da Família da Unidade Pastoral de São Martinho de Brufe, São Martinho de Cavalões e de Santo Adrião de Vila Nova de Famalicão, em parceria com a Equipa Arciprestal de Pastoral Familiar de Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -