Avançar para o conteúdo principal

A minha experiência como pai é a experiência de “tornar-me pai”!

A minha experiência como pai é a melhor experiência que vivi até hoje. Ter filhos sempre fez parte dos meus objetivos e do nosso projeto de vida como família. Quando peguei em cada um dos meus filhos, o João e o Pedro, pela primeira vez, no meu colo, senti “tornar-me pai”. Senti-me completo e ao mesmo tempo incompleto! Cada um destes sentimentos iniciaram-me na experiência de “crescer”, de entrega, de proteção e de ser um bom pai. Esta é para mim a experiência mais marcante, exigente, plena, responsável, grandiosa, de constante construção e eterna. É assim que me vejo como pai!

Nela vivo todos os dias a sensação de uma certa insegurança, de receio de falhar perante os meus filhos, de não poder ser exemplo, de não os conseguir proteger, sempre com preocupação de os ver bem, de procurar impor limites e de dar carinho, de transmitir valores e de os saber educar…Na realidade, identifico na minha dedicação e no amor que tenho aos meus filhos, na missão de ser pai e de formar família, a grandiosa experiência do amor incondicional. E eu não percebo muito destas coisas…mas sinto-me eternamente responsável e ligado aos meus filhos. Amo-os de coração e agradeço a Deus este dom!
Identifico os nossos melhores momentos como os momentos de maior crescimento, os momentos de lazer, de brincadeira, de descontração, de meiguice, bem como, os momentos das primeiras palavras e dos primeiros passos de cada um deles… As suas expressões mais caricatas e impensáveis… Os momentos de sucesso, de vitória e de felicidade, mas também, os momentos de maior tristeza, de derrota, de falha e também superação e de perdão…
Torna-me pai, fez-me perceber, que os meus filhos precisam de mim, tal como sou, com as minhas falhas, com os meus limites, com a minha simplicidade, com a minha coerência, …
Torna-me pai, fez-me reconhecer, que eles também precisam dos pais, ou seja, da mãe e do pai, da nossa família, do nosso exemplo, da nossa presença, da nossa entrega e da nossa verdade.
Tornar-me pai, ensinou-me, simultaneamente, a ser filho e a ser marido. Ensinou-me a aceitar-me e aceitar o outro, a ser uma pessoa melhor, a aceitar os meus erros e a crescer com eles!
Sei que a minha experiência de pai está sempre a renovar-se e a aperfeiçoar-se, porque me implica, todo os dias, a ser exemplo e a “tornar-me pai”.

 Adao Manuel Rocha -
Equipa da Pastoral Familiar Arciprestal de V. N. Famalicão


Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -