Avançar para o conteúdo principal

"A verdade sobre o homem começa na família"

Nova carta semanal do arcebispo de Madri, dom Carlos Osoro Sierra. Publicamos a seguir o texto na íntegra.

Neste mês de novembro, quando recordamos tantas pessoas que tiveram protagonismo especial em nossa vida, e depois de vivermos o Sínodo da Família, é imperativo, no mais profundo do meu coração, falar da família, da família em que eu, pessoalmente, experimentei e aprendi o melhor da minha vida. Não posso esquecer a família, que é a estrutura fundamental de todas as culturas e em todos os tempos. Na história da minha vida, foi crucial contemplar a Família de Nazaré, em que Deus mesmo viveu e através da qual se fez presente neste mundo, revelando-nos o rosto humano que, se quisermos viver e construir a cultura do encontro, todos temos de ter. Dou graças a Deus por ter-se aproximado da nossa vida dessa maneira. Deus se fez homem: “O Verbo se fez homem e habitou entre nós” (Jo 1, 14). Em Jesus Cristo vemos o homem: como ele pode ser e como Deus quer que ele seja. É na família que começa a se desenvolver a verdade sobre o homem. E quando a instituição familiar é pressionada de diversas formas para se acomodar a conveniências e não à verdade, isto não pode ser chamado de progresso da humanidade, mas de mentira instaurada na civilização. A história não é simplesmente um progresso necessário rumo ao melhor, e sim um acontecimento de liberdade ou um combate entre liberdades que se opõem; como dizia Santo Agostinho, um conflito entre dois amores: o amor de Deus até o desprezo de si mesmo e o amor de si mesmo até o desprezo de Deus.

Matrimônio e família estão unidos à dignidade pessoal do homem. Eles não se derivam do instinto e da paixão, nem exclusivamente do sentimento; derivam, antes de tudo, de uma decisão livre da vontade, de um amor pessoal que torna os esposos uma só carne, um só coração e uma só alma. O matrimônio é orientado ao futuro, é o único lugar idôneo para a geração e para a educação dos filhos; por isso, em sua essência, ele é orientado à fecundidade, a criarmos a cultura da vida como colaboradores do amor criador de Deus. A regra estabelecida para os processos da vida deve ser respeitada. Não se pode qualificar uma sociedade de progressista se ela não respeita esses processos; do contrário, faremos uma sociedade de olhos fechados para o futuro. Não respeitar os processos da vida em sua essência é levar à cultura da morte, com processos parecidos e até mais dissimulados, como temos vivido em tempos recentes na Europa.
A família, fundada e vivificada pelo amor, é uma comunidade de pessoas: do homem e da mulher, esposos e pais, e dos filhos. Remontar ao princípio, ao gesto criador de Deus, é uma necessidade para a família se ela quer se conhecer e realizar segundo a verdade interior do seu ser e da sua ação histórica. Quero fazer três afirmações ao contemplar esse gesto criador de Deus:
1. Creio na família: Sim, creio nesta comunidade de pessoas. A vida humana surge de pai e mãe. Negar um deles é negar a vida. Todo homem nasce de pai e mãe e cada um deles é indivisível do único ser que somos. Não se pode surgir fisicamente sem pai e mãe. São princípios físicos de existência, princípios pessoais de constituição e princípios simbólicos e psicológicos de identificação do ser humano como ser com sentido no mundo. Duas palavras sagradas para o ser humano, pai e mãe, com um conteúdo especial. Negar ou diluir pai e mãe é um ataque à própria essência da vida.
2. Espero na família: Sim, na família que recebeu a missão de custodiar, revelar e comunicar o amor. Como nos disse São João Paulo II, “o homem não pode viver sem amor. Permanece para si mesmo como um ser incompreensível; sua vida é privada de sentido se não lhe é revelado o amor, se ele não se encontra com o amor, se não o experimenta e não o torna próprio, se não participa dele vivamente” (RH 10). O papa Francisco nos insistiu que este amor tem a sua realização mais profunda no amor do homem e da mulher no matrimônio, e, de forma mais ampla, entre os membros da mesma família. O compromisso fundamental da família é o serviço à vida, com o qual ela promove, instaura e serve à cultura da vida. O matrimônio formado pelo homem e pela mulher, início singular da família, é a essência da cultura da vida e, portanto, do futuro da humanidade.
3. Amor à família: Como não amar a família se nela e dela recebemos o melhor que temos, que é a vida mesma? “Deus, com a criação do homem e da mulher à sua imagem e semelhança, coroa e leva à perfeição a obra de suas mãos; Ele os chama a uma especial participação no seu amor e, ao mesmo tempo, no seu poder de Criador e Pai, mediante a sua cooperação livre e responsável na transmissão do dom da vida” (FC 28). Enfrentar o caminho da vocação matrimonial e familiar significa aprender o amor conjugal dia a dia, ano após ano, o amor em alma e corpo, o amor que é “paciente e bondoso, que não busca seu interesse (...), não tem medo do mal”. O amor “encontra sua alegria na verdade”, o amor “tudo suporta” (I Cor 13). Não deixemos que nos roubem e arrebatem a riqueza da família. Não incluamos em nosso projeto de vida um conteúdo deformado, empobrecido. “O amor se alegra com a verdade”. Busquemos a verdade do matrimônio e da família onde ela se encontra; cada um de nós é verificação dessa verdade. Estejamos dispostos a buscar a verdade da família no amor misericordioso, que, com tanta força, nos foi revelado por Jesus Cristo; esta deve ser a nossa paixão. E não caiamos na corrente das opiniões em que se desvia do amor de Cristo, que é misericordioso e sempre instaura caminhos para defender a verdade do homem, cuja revelação também se dá na família. Isto é converter o amor em amor verdadeiro.
Na Família de Nazaré encontramos os argumentos necessários para dizer que a família é uma realidade sagrada. E que pai e mãe são as palavras mais belas porque falam da verdade do homem e da mulher que geram vida e prolongam o amor de Deus. Nós, surgidos à vida necessariamente por meio de pai e mãe, não somos um acréscimo externo ao amor mútuo dos nossos pais: nós brotamos do próprio coração da sua doação recíproca, sendo seu fruto e seu cumprimento. Creiam na família. Como lhes disse em outras ocasiões, a família é a “escola de belas artes” mais importante na vida do ser humano; aquela em que a beleza mais intensa se revela ao homem.
Com grande afeto e a minha bênção,
+ Carlos, arcebispo de Madri

(12 de Novembro de 2015)

in http://www.zenit.org/pt/articles/a-verdade-sobre-o-homem-comeca-na-familia?utm_campaign=diarioportughtml&utm_content=%5bZP151112%5d%20O%20mundo%20visto%20de%20Roma&utm_medium=email&utm_source=dispatch&utm_term=Image

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -