Avançar para o conteúdo principal

Terceira idade à luz do filme "Um senhor estagiário"


Onde não há honra pelos idosos, não há porvir para os jovens. 

Não desprezes os ensinamentos dos anciãos, dado que eles os aprenderam com os seus pais. Estudarás com eles o conhecimento e a arte de responder de modo oportuno.” (Eclo 8, 11-12)

Sinopse: A história acompanha Jules (Anne Hathaway), uma bem-sucedida dona de um site de moda, que é abalada pela notícia de que terá que contratar um estagiário. Por uma questão social, os idosos precisam voltar a ativa. Nesse contexto, a moça passa a contar com Ben (Robert de Niro), um senhor de 70 anos que busca novos desafios.
O filme tem dois atores consagrados, Robert de Niro (72 anos) e Anne Hathaway (32 anos) fazendo papéis de personagens com idades semelhantes às deles, mas com realidades diferentes.

Ben (de Niro) é um senhor de 70 anos que se sente sozinho e inútil, que encontrou uma chance de se tornar estagiário em uma empresa formada apenas por jovens e em um ramo que ele não conhecia. Não teve medo e foi à luta, decidido a “ser alguém” de novo. Este sentimento de solidão e de inutilidade acontece na vida de muitos idosos, que chegam a ser esquecidos (ou até mesmo jogados em algum lugar) porque eles atrapalham a vida corrida de seus filhos ou parentes. Não é à toa que muitos não querem parar de trabalhar, mesmo se tiverem condições financeiras para se aposentarem, e fazem isso para se sentirem úteis.
A indiferença aos idosos machuca sua vidas, logo eles que, assim como os jovens e adultos de hoje, muito lutaram para ser alguém para outras pessoas.
Como muito bem colocou o Papa Francisco (audiência geral, 04/03/15), nós devemos pensar nos idosos como parte da sociedade, não podemos desprezá-los:
A Igreja não pode e não quer conformar-se com uma mentalidade de intolerância, e muito menos de indiferença e de desprezo, em relação à velhice. Devemos despertar o sentido comunitário de gratidão, de apreço e de hospitalidade, que levem o idoso a sentir-se parte viva da sua comunidade.
Os anciãos são homens e mulheres, pais e mães que antes de nós percorreram o nosso próprio caminho, estiveram na nossa mesma casa, combateram a nossa mesma batalha diária por uma vida digna. São homens e mulheres dos quais recebemos muito. O idoso não é um alieno. O idoso somos nós: daqui a pouco, daqui a muito tempo, contudo inevitavelmente, embora não pensemos nisto. E se não aprendermos a tratar bem os anciãos, também nós seremos tratados assim.
Este filme nos ajuda a ver que eles merecem nossa atenção, nosso respeito e nossos cuidados. Que após ver o filme, possamos notar que os idosos que estão em nossas vidas não estão mortos, não são como sofás velhos e gastos que devam ser descartados, mas que são pessoas vivas que precisam de atenção e carinho.
Só que o filme não é apenas sobre Ben, temos uma grande mulher moderna protagonizada por Anne Hathaway. Jules criou seu próprio negócio, em 1 ano e 6 meses transformou em uma grande empresa, mas para isso sacrificou muito de sua vida pessoal e afetou sua família (esposo e filha pequena), ainda que em alguns momentos a culpa não seja dela. Autossuficiente, não é de aceitar ajuda ou conselhos, e é aí que entra Ben, que, a seu modo, e com a experiência de vida adquirida pelos anos, resolve ajudá-la.
O Papa Francisco (audiência geral, 11/03/15) já aponta que os idosos têm um papel fundamental para os jovens, fruto de sua experiência de vida, e auxiliar os mais jovens a evitar caminhos errados:
Podemos recordar aos jovens ambiciosos que uma existência sem amor é uma vida árida. Podemos dizer aos jovens medrosos que a angústia em relação ao futuro pode ser derrotada. Podemos ensinar aos jovens demasiado apaixonados por si mesmos que há mais alegria em dar do que em receber.
Esta produção serve para mostrar a importância que devemos dar aos idosos, ouvindo seus conselhos, dando-lhes carinho e, ao mesmo tempo, nos traz um alerta de que o trabalho e o sucesso não podem sacrificar nossa vida pessoal, muito menos nossa família.
Um filme gostoso de assistir, uma comédia sobre as nossas vidas com boas pitadas de humor. Vale muito a pena ser assistido e aprender com ele. Lembre-se da indicação para maiores de 10 anos.

Ficha técnica:
Gênero: Comédia
Direção: Nancy Meyers
Roteiro: Nancy Meyers
Elenco: Adam DeVine, Anders Holm, Andrew Rannells, Anne Hathaway, Annie Funke, C.J. Wilson, Celia Weston, Christina Brucato, Christina Scherer, Christine Evangelista, Drena De Niro, Erin Mackey, Jason Orley, JoJo Kushner, Julee Cerda, Linda Lavin, Liz Celeste, Maria Di Angelis, Mary Kay Place, Molly Bernard, Nat Wolff, Nikki Granatell, Paulina Singer, Peter Vack, Reid Scott, Rene Russo, Robert De Niro, Steve Vinovich, Wallis Currie-Wood, Zack Pearlman
Produção: Nancy Meyers, Scott Rudin, Suzanne McNeill Farwell
Trilha Sonora: Theodore Shapiro
Duração: 121 min.
Ano: 2015
País: Estados Unidos
Distribuidora: Warner Bros.
Estúdio: Worldview Entertainment
Classificação: 10 anos



in http://pt.aleteia.org/2015/10/29/onde-nao-ha-honra-pelos-idosos-nao-ha-porvir-para-os-jovens/

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -