Avançar para o conteúdo principal

Quando as famílias tomam a palavra no Sínodo: Intervenção da Família Galindo

Somos o casal formado por Andrés e Clara Galindo, do México. Há 45 anos formamos a família Galindo Rubio. Deus permitiu-nos ter dois filhos agora já casados e quatro netos.
Iniciamos a nossa vida como muitos casais, com muita esperança, mas também com momentos positivos e negativos, tanto emocionais quanto económicos.
Os primeiros anos não foram fáceis, principalmente por algumas pressões de alguns familiares que não nos desejavam muito sucesso na nossa nova vida que estávamos a iniciar, a ponto de, por causa dos problemas económicos que tínhamos, tentarem separar-nos. E um dia ele chegou a nossa casa um familiar com os documentos já preparados para que assinássemos o nosso divórcio.

Apesar da insistência para que déssemos esse passo, Andrés e eu decidimos lutar contra o desequilíbrio que havia provocado esse fato e levar adiante o nosso casamento e a família que começávamos a formar, embora essa decisão tenha sido tomada sem ter uma consciência clara do que significava o sacramento do matrimónio.
Pouco tempo depois, graças a Deus, tivemos a oportunidade de viver uma experiência de relação no Encontro Matrimonial Católico, em que aprendemos a comunicar, a saber perdoar, mas sobretudo a conhecer qual era o plano de Deus para nós como casal e como família. E assim continuamos a lutar pela nossa relação, mas agora com um pouco mais de consciência de acordo com o plano de Deus.
Algum tempo depois, quando passamos novamente por uma etapa muito difícil da nossa vida, já que Andrés tinha ficado sem trabalho, e a nossa situação económica tinha-se esgotado, um querido amigo pediu-nos para que o acompanhássemos até à Basílica de Guadalupe, onde aproveitamos para pedir à nossa querida Mãe e a Nosso Senhor Deus para que nos ajudassem a resolver os nossos problemas e prometemos que faríamos o que nos pedissem.
Saindo da Basílica, fomos convidados a colaborar com a Pastoral Familiar, e a primeira coisa que pensamos foi em dizer não, primeiro tínhamos que resolver os nossos problemas económicos. Mas, graças a Deus e a Nossa Senhora, pudemos reconsiderar e aceitamos servir a nossa Igreja na Pastoral Familiar.
Durante o nosso serviço à nossa Igreja, tanto no México quanto na América Central, pudemos corroborar, em diversos cursos, assembleias, congressos etc., que os grandes problemas que as famílias passam são provocados por fatores sociais, culturais, políticos, educativos, económicos e religiosos, e o matrimónio e a família se vêm debilitados e frágeis, e a sua própria força precisa ser resgatado através da formação e do ensino da sua identidade e missão.
A pastoral da família é hoje a pastoral do Terceiro Milénio, por causa dos pequenos e grandes ataques de algumas instituições tanto governamentais quanto civis contra o matrimónio, a família e a vida.
Requer-se Pastores apaixonados pelo projeto de Deus para fazer uma pastoral da família que nasça do coração do Pastor, para que as famílias sejam guiadas, acompanhadas e formadas segundo o plano de Deus, para que vivam a sua identidade e missão.



[Intervenção da Família Galindo (1ª Congregação Geral, 5 de outubro) - Gertrudiz Clara Rubio de Galindo e Andrés Salvador Galindo López Secretários executivos da Comissão Episcopal para a Família da Conferência Episcopal do México e secretários do CELAM para a Zona México-América Central]

in http://www.imissio.net/v2/noticias/quando-as-familias-tomam-a-palavra-no-sinodo-intervencao-da-familia-galindo:3704?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -