Avançar para o conteúdo principal

A família é o "hospital" mais próximo

Na Audiência Geral desta quarta-feira (10 de junho), o Papa Francisco continuou o ciclo de catequeses sobre a família, destacando um aspecto: a doença.
O Santo Padre chegou na Praça de São Pedro a bordo do papamóvel aberto e passou entre os peregrinos saudando a todos, de modo especial, os doentes e as crianças. Enquanto isso, os peregrinos provenientes de diversos países expressavam grande entusiasmo balançando suas bandeiras.
O dia relativamente quente da primavera europeia, permitiu que a praça ficasse enfeitada com centenas de guarda-chuvas coloridos que foram usados para proteger do sol.
O Papa Francisco, no resumo da catequese em língua portuguesa, destacou que a doença é uma realidade comum na vida das nossas famílias. “Esta só excepcionalmente devido à fragilidade humana, põe em crise a família – alertou Francisco -. “Em geral, a situação de doença robustece os laços familiares, sendo vivida com maior empatia e apreensão”.

“Muitas vezes, custa menos aos pais suportar a doença própria que a dos filhos” – afirmou-. “Podemos dizer que, desde sempre, o hospital mais próximo foi a família; ainda hoje, em muitas partes do mundo, o hospital é um privilégio para poucos. São a mãe, o pai, os irmãos, as irmãs que garantem os cuidados e ajudam a curar”.
Francisco continuou recordando que “Jesus curava” e “nunca se recusou a fazê-lo e deu aos discípulos a ordem e o poder de fazerem o mesmo”. “Esta é a tarefa da Igreja: ajudar os doentes e deixar-se de discursos” –afirmou-.  “A comunidade cristã sabe que a família não deve ser deixada sozinha nos momentos da enfermidade. E devemos agradecer a Deus pelas beneméritas experiências de fraternidade eclesial que ajudam as famílias a atravessar o difícil momento da tribulação e do sofrimento”.
Para Francisco “esta proximidade cristã, de família a família, é um verdadeiro tesouro para uma paróquia; um tesouro de sabedoria, que ajuda as famílias nos momentos difíceis e faz compreender melhor o Reino de Deus do que muitos discursos”.
Ao final, o Santo Padre saudando os “queridos peregrinos de língua portuguesa”, disse: “De coração vos saúdo a todos, em particular a «Fazenda Esperança» e os grupos paroquiais do Brasil, encorajando-vos a ser por todo o lado testemunhas de esperança e caridade. E, se alguma vez a vida fizer desencadear turbulências espirituais na vossa alma, ide procurar refúgio sob o manto da Virgem Mãe de Deus; somente lá encontrareis paz. Sobre vós, vossas famílias e paróquias desça a Bênção do Senhor”.

Em seguida, o bispo de Roma cumprimentou alguns prelados e grupos de peregrinos, enquanto os fiéis ainda presentes na Praça de São Pedro gritavam "viva o Papa" e o nome de Francisco.

Por Redação
Vaticano, 10 de Junho de 2015 (ZENIT.org)

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.