Avançar para o conteúdo principal

Sem família: a solidão invisível

Não a encontravam há dez dias. Uma conhecida procurou-a obstinadamente, examinando uma a uma as divisões do hospital onde alguém dizia tê-la visto. Por fim, encontrou-a à entrada das urgências, envolvida por uma manta, numa maca, muito suja e desnutrida.
Os vizinhos tinham assinalado o desaparecimento e havia sido emitido um alerta por parte dos serviços sociais do município, que no passado tinham insistido para que a senhora fosse viver para uma instituição para idosos, já selecionada. Mas, com quase 90 anos, ela não queria saber e continuou a viver só, na sua casa.

Antes que alguém a deitasse naquela maca, provavelmente andou dias e dias entre as divisões do hospital, que considera como a sua segunda casa. Parece que o ligeiro estado de ansiedade em que a encontraram não teria sido suficiente para justificar um internamento. Dizemos “provavelmente” e “parece” porque ninguém sabe ao certo o que aconteceu, porque ninguém se deu verdadeiramente conta dela, nem quando e como caiu e feriu um olho. E quem, a determinado momento, a encontrou na maca, não se deu conta do estado em que estava, ou talvez, quem sabe, ter-se-á dedicado a outras urgências, casos mais graves, e continuou a deixá-la à espera.
Desperta uma imensa ternura e piedade pensar nesta mulher que a velhice tornou substancialmente invisível. Podemos imaginá-la a vaguear, algo confusa, entre as salas, a aguardar em vão nas salas de espera, com aquele ar de resignação paciente de tantos dos nossos idosos que aprenderam o quanto é inútil ter pressa. Talvez tenha feito perguntas, ou até, em silêncio, se tenha instintivamente confiado à familiaridade do lugar, tranquilizada por ver determinados rostos. O certo é que muitos a olharam sem a ver verdadeiramente, como se fosse transparente. Uma sombra.
Não se trata da marginalização do “diferente” – o estrangeiro, o sem-teto –, mas da estranheza do nosso próximo, de quem é igual a nós, de quem poderia ser a nossa mãe, a nossa avó, de quem nos recorda que, se não se morre jovem, todos nos tornaremos assim. Mas aquela senhora não era a mãe nem a avó de ninguém. Foi ao hospital sozinha porque não tem família – à parte uma irmã, mais velha, que vive noutra região, e aqui reside a questão: por muito eficientes que as estruturas de saúde e sociais possam ser, por muito que as leis e os regulamentos sejam rigorosos, uma rede institucional de proteção e de cuidado nunca poderá substituir plenamente a força das relações familiares.
Idosos, crianças, deficientes, doentes: o cuidado da fragilidade humana precisa de uma rede de solidariedade de tipo familiar, e não pode ser totalmente delegada nem sequer nas organizações mais eficientes. Os próprios “cuidados domiciliários”, que o nosso sistema justamente procura promover, pressupõem geralmente que em casa haja alguém, além do paciente, e que seja capaz pelo menos de estar junto dele com consciência e atenção.
Uma sociedade que não se dá conta da importância da família e da urgência de a proteger e apoiar, antes de tudo enquanto bem para todos, é uma sociedade destinada a desaparecer, que começa a tornar-se uma soma de indivíduos sós e frágeis, como aquela velha senhora perdida dentro do seu hospital.

Assuntina Morresi - In "Avvenire"
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 11.02.2015

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.