Avançar para o conteúdo principal

A Bíblia, uma história de família: A gravidez

O Código de Hammurabi, rei da Babilónia no século XIII a.C., previa que o chefe do clã poderia, em caso de esterilidade da mulher oficial, recorrer às outras mulheres do seu harém para ter um filho. E acrescentava, no artigo 146: se alguém toma uma esposa e esta dá ao marido uma serva por mulher, e esta última lhe dá filhos, mas, depois, essa serva pretende ter estatuto de igualdade com a esposa porque deu filhos, não deverá a esposa, sua senhora, vendê-la por dinheiro, mas mantê-la-á como escrava.
Lendo o capítulo 16 do livro do Génesis, descobre-se que as cláusulas daquele antigo Código regulavam a vida do clã de Abraão. Antes de tudo, na narração dos patriarcas há com frequência uma clara referência à poligamia, mesmo na presença de uma mulher primária, que para Abraão é Sara. A sua esterilidade impele-a a oferecer ao marido a escrava Agar, para que gere um filho que será oficialmente filho do casal Abraão e Sara. Agar, repleta de orgulho pela sua superioridade de mulher grávida e fecunda em comparação com Sara, estéril, «começou a olhar desdenhosamente para a sua senhora» (16, 4).

Este comportamento é o que no Código de Hammurabi estava referido com a frase «iguala-se à sua senhora». Sara aplica, então, uma retaliação legítima (à luz daquele ordenamento jurídico), fazendo-lhe a vida difícil e remetendo-a à escravidão mais dura, sem que Abraão pudesse objetar: «“A tua escrava está sob o teu domínio; faz dela o que te aprouver.” Então Sarai tratou-a mal e humilhou-a, e Agar fugiu da sua presença» (16, 6).
O objetivo do narrador passa então a incidir no deserto, onde Agar dá à luz Ismael (“Deus ouve”, no sentido de acolher favoravelmente). A narração prossegue no capítulo 21: também a Sara nasce finalmente um filho, Isaac, e entre este e o jovem Ismael começam os desacordos e os litígios. Sara exige que Abraão expulse Agar e Ismael do clã. Neste ponto introduz-se uma cena dolorosa e intensa.
Agar é forçada ao deserto com a criança, vendo-se desesperada por não saber como sobreviver: «Tendo-se acabado a água do odre, deixou Ismael debaixo de um arbusto e foi sentar-se do lado oposto, à distância de um tiro de arco, porque dizia: “Não quero ver o meu filho morrer”» (21, 16).
É a representação viva de quanto acontece sob os nossos olhos no deserto de água do Mediterrâneo, com tantas mães que apertam no peito os seus filhos esgotados, muitas vezes moribundos. É a tragédia dos imigrantes que de África atravessam o mar à procura de salvação. Na narrativa de Agar há, porém, um desenlace feliz. Deus ouve o seu grito e aponta-lhe um poço onde ela e o filho se podem dessedentar.
Esta história familiar, que à nossa sensibilidade surge como algo “escandalosa”, é, na realidade, a expressão genuína da “incarnação da Palavra de Deus. O Senhor entra no íntimo dos costumes, tradições, comportamentos humanos discutíveis, ligados a uma cultura e sociedade antigas. Caminha com os povos com passo lento, a partir das suas mentes rígidas e coração endurecido, para os conduzir a um plano mais alto de moral, ao mesmo tempo que lhes oferece a sua salvação. A Bíblia é, também no que diz respeito à família, o livro da paciência e da misericórdia de Deus.
Todas as culturas, grandes e modestas, celebraram sempre com respeito e amor a gestação. Leiam-se, por exemplo, as extraordinárias estrofes do Salmo 139 que cantam a misteriosa ação de Deus: «Tu modelaste as entranhas do meu ser/ e formaste-me no seio de minha mãe./ Dou-te graças por tão espantosas maravilhas; admiráveis são as tuas obras./ Quando os meus ossos estavam a ser formados,/ e eu, em segredo, me desenvolvia,/ tecido nas profundezas da terra,/ nada disso te era oculto./ Os teus olhos viram-me em embrião./ Tudo isso estava escrito no teu livro./ Todos os meus dias estavam modelados,/ ainda antes que um só deles existisse» (13-16). As imagens são as do tecelão e do oleiro.
Job, noutra estrofe de grande sugestão, imagina que Deus é, além de tecelão e oleiro, no ventre da mãe como um pastor que modela uma forma de queijo: «Foram as tuas mãos que me formaram e modelaram […]. Não me espremeste como o leite, coagulando-me como quem faz queijo? De pele e de carne me revestiste, de ossos e de nervos me consolidaste» (10, 8-11).
De acordo com a curiosa ciência médica do tempo, pensava-se que o embrião fosse a simples coagulação do sémen masculino, favorecida pela menstruação da mulher – o óvulo feminino só foi identificado em 1827 por Karl Ernst von Baer. Com efeito, o livro bíblico da Sabedoria coloca na boca de Salomão estas palavras: «No ventre de uma mãe fui feito carne. Durante dez meses [lunares] fui ganhando corpo no sangue, a partir do sémen do homem e do prazer conjugal» (7, 1-2).
Em Maria, a gravidez adquire um carácter absolutamente único, que se exprime pelas palavras do anjo Gabriel: «Hás de conceber no teu sei o e dar à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus. Será grande e vai chamar-se Filho do Altíssimo» (Lucas 1, 32).

Card. Gianfranco Ravasi
Biblista, presidente do Pontifício Conselho da Cultura
In "Famiglia Cristiana"
Trad. / edição: Rui Jorge Martins

Publicado em 15.02.2015
http://www.snpcultura.org/a_biblia_uma_historia_de_familia_gravidez.html

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.