Avançar para o conteúdo principal

FAMÍLIA: CAPITAL SOCIAL (X Jornada da Família)

Como vivemos em família? Como trabalhamos? Como formamos comunidades? Como nos relacionamos uns com os outros? O que falamos uns com os outros? Que valores temos? Que influência exercemos?
Todas estas questões traduzem as vertiginosas e rápidas mudanças na família e consequentemente na sociedade...
O que fazer? A observação leva-nos à reflexão. Há já dez anos que a Pastoral Familiar, motivada pelos desafios pastorais da Arquidiocese e do Papa, se ocupa e se propõe a fazer esta reflexão.


A família é uma particular e, ao mesmo tempo, fundamental comunidade celular de amor e de vida, sobre a qual se apoiam e vivem as outras comunidades e sociedades. Por isso ela é insubstituível. Não há outra comunidade ou instituição que a possa substituir. A família ocupa o lugar central. Bem sabemos que aquilo que não se aprende na família muito dificilmente outra instituição o poderá ensinar. Ou seja, o que na família se alcança, nenhuma outra instituição obterá os mesmos resultados. O que realmente educa é o ambiente que a família cria e não aquilo que os seus membros decidem fazer.
João Paulo II, no encontro mundial das família no Brasil, em 1997, afirmou: “...através da família, toda a existência humana está orientada para o futuro. Nela o homem vem ao mundo, cresce e  amadurece. Nela se converte em cidadão cada vez mais responsável pelo seu país e em membro cada vez mais consciente da Igreja. A família é também o ambiente primeiro e fundamental onde o Homem descobre e realiza a sua vocação cristã e humana.”.

Percebemos assim que a família é um centro de possibilidades de desenvolvimento humano e social das pessoas e também, por que não dizê-lo, de desenvolvimento económico dos povos. As famílias estáveis são as principais autoras de um desenvolvimento sustentável. Este desenvolvimento depende principalmente da maturidade social, emocional, espiritual, cultural e política de todos os membros da família.
Tudo afeta a família. E a família afeta tudo. Se a mais pequena democracia se constrói no coração da sociedade, assim também o seu desenvolvimento e sucesso. Tudo depende do processo. O sucesso de uma sociedade ou instituição está no seu processo. E o processo, lento e atemporal,  atualiza-se e concretiza-se na família.
A família é muito mais do que aquilo que se pensa dela: a sua influência é determinante para o desenvolvimento da humanidade e consequentemente da sociedade.
A família é um capital social que deve ser âmbito de ocupação e preocupação de todos, desde as ciências políticas e económicas à responsabilidade pessoal e comunitária de cada um, porque é uma instituição que veicula valores inerentes à convivência, à sociabilização, à fraternidade e à solidariedade. Isto é, a família é o lugar primeiro e fundamental para o desenvolvimento bio-psico-socio-espiritual do Homem. Da família se espera afeto, compreensão, respeito, tolerância, responsabilidade, honestidade, honra, bom trato, perdão, educação... ou seja, aquilo que está previsto na declaração dos direitos humanos e possibilita que cada pessoa possa coexistir pacifica e harmoniosamente.
O futuro da humanidade está nas mãos da família. Por isso, a comunidade não pode ficar alheia e apática ao que se passa na família. É preciso arregaçar as mangas e meter as mãos à obra.
A função e responsabilidade da família como produtora de bem social e de bens sociais qualitativos é uma missão intransmissível, que não pode ser delegada em mais ninguém. A sociedade e os seus governantes devem ocupar-se com o saber acumulado que a família veicula para garantir que o mesmo saber não se perde por desleixo ou indiferença. O saber familiar perde-se quando o valor cultural família está em risco de sobreviver.
Em muitos meios fala-se na importância do capital humano. Mas de que serve falar do capital humano se este não encontra a sua raiz num núcleo familiar forte, protegido, onde a vida e a coexistência se pauta pelo amor criativo e mútuo entre todos os membros. Uma família, forte e protegida, assegurará um capital humano e social forte e desenvolvido, criativo e  gerador de valores e de paradigmas estruturantes para a sociedade.

Equipa interparoquial da Pastoral Familiar de Sto Adrião e São Martinho de Brufe, Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -