Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2015

Catequese do Papa sobre a figura paterna

Queridos irmãos e irmãs, bom dia! Retomamos o caminho das catequeses sobre família. Hoje nos deixamos guiar pela palavra “pai”. Uma palavra mais que qualquer outra querida a nós cristãos, porque é o nome com o qual Jesus nos ensinou a chamar Deus: pai. Hoje o sentido deste nome recebeu uma nova profundidade justamente a partir do modo em que Jesus o usava para se dirigir a Deus e manifestar a sua especial relação com Ele. O mistério abençoado da intimidade de Deus, Pai, Filho e Espírito, revelado por Jesus, é o coração da nossa fé cristã. “Pai” é uma palavra conhecida por todos, uma palavra universal. Essa indica uma relação fundamental cuja realidade é tão antiga quanto a história do homem. Hoje, todavia, chegou-se a afirmar que a nossa seria uma “sociedade sem pais”. Em outros termos, em particular na cultura ocidental, a figura do pai seria simbolicamente ausente, dissipada, removida. Em um primeiro momento, a coisa foi percebida como uma libertação: libertação do pai-patrão, do pai …

«Comunicar a família: ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor»

A família mais bela é a que sabe viver e comunicar a riqueza da relação entre os seus membros

O tema da família encontra-se no centro duma profunda reflexão eclesial e dum processo sinodal que prevê dois Sínodos, um extraordinário – acabado de celebrar – e outro ordinário, convocado para o próximo mês de Outubro. Neste contexto, considerei oportuno que o tema do próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais tivesse como ponto de referência a família. Aliás, a família é o primeiro lugar onde aprendemos a comunicar. Voltar a este momento originário pode-nos ajudar quer a tornar mais autêntica e humana a comunicação, quer a ver a família dum novo ponto de vista. Podemos deixar-nos inspirar pelo ícone evangélico da visita de Maria a Isabel (Lc 1, 39-56). «Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou-lhe de alegria no seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Então, erguendo a voz, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre”» (vv. 41-42). Este e…

A "sagrada" família de Rembrandt

É conhecida a expressão que define a Escritura como o «grande códice» da civilização ocidental, ou seja, o ponto de referência não só para a fé, mas também para a cultura de todos. Basta cruzar a entrada de uma pinacoteca ou estudar a literatura dos séculos passados para constatar que boa parte da arte e dos escritos é incompreensível sem a Bíblia. Um dos muitíssimos temas sagrados representados é a cena familiar de Maria, José e do pequeno Jesus dispostos quase como que em pose, como acontece nos nossos dias nos instantâneos fotográficos das famílias. O mais comum destes quadros, que no passado marcou presença em muitas casas cristãs, é a Sagrada Família de Bartolomé E. Murillo (1617-1682), pintor espanhol de Sevilha, conservado no Museu do Prado, em Madrid.

X Jornada da Família - Ficha de inscrição

Ficha de inscrição - faça aqui o seu download 

A família na Bíblia: Léxico para sair da solidão

Neste percurso sobre a família guiado pela Bíblia partiremos de alguns vocábulos das suas duas línguas principais, o hebraico e o grego. À primeira vista existe um termo hebraico específico para designar a “família”, “mishpahâ”, que se lê 300 vezes no Antigo Testamento. Mas se se analisa um dicionário de hebraico bíblico, descobre-se que o seu significado alarga-se até compreender o clã, a parentela, a descendência, a tribo e até a etnia. Daqui deriva que a família bíblica, embora nascendo de um núcleo constitutivo, o casal, não é “nuclear” nem uma mónada fechada em si mesma, mas tem uma energia vital que se ramifica em relação com a sociedade.

Família: Oração, testemunho, profecia

A importância de ter tempo para parar e rezar, a o carácter essencial da ação transformadora da realidade na vida cristã e a urgência da profecia constituíram os temas da intervenção que o papa Francisco proferiu hoje (16 de Janeiro de 2015) perante centenas de famílias reunidas em Manila. As palavras de Francisco inspiraram-se na leitura bíblica em que S. José, pai adotivo de Jesus, escuta a vontade de Deus quando se encontra em repouso, motivo que também aparece com frequências nas representações artísticas do esposo de Maria. Apresentamos alguns excertos da intervenção do papa, com subtítulos atribuídos pela redação da Pastoral da Cultura.
Repousar na oração «“Padre, eu quero rezar, mas há tanto que fazer! Devo cuidar dos meus filhos; tenho os deveres de casa; estou demasiado cansado até mesmo para dormir bem". Isto até pode ser verdade; mas, se não rezarmos, nunca conheceremos a coisa mais importante de todas: a vontade de Deus a nosso respeito.» «O repouso, apesar de ser necessár…

FAMÍLIA: CAPITAL SOCIAL (X Jornada da Família)

Como vivemos em família? Como trabalhamos? Como formamos comunidades? Como nos relacionamos uns com os outros? O que falamos uns com os outros? Que valores temos? Que influência exercemos? Todas estas questões traduzem as vertiginosas e rápidas mudanças na família e consequentemente na sociedade... O que fazer? A observação leva-nos à reflexão. Há já dez anos que a Pastoral Familiar, motivada pelos desafios pastorais da Arquidiocese e do Papa, se ocupa e se propõe a fazer esta reflexão.


A família é uma particular e, ao mesmo tempo, fundamental comunidade celular de amor e de vida, sobre a qual se apoiam e vivem as outras comunidades e sociedades. Por isso ela é insubstituível. Não há outra comunidade ou instituição que a possa substituir. A família ocupa o lugar central. Bem sabemos que aquilo que não se aprende na família muito dificilmente outra instituição o poderá ensinar. Ou seja, o que na família se alcança, nenhuma outra instituição obterá os mesmos resultados. O que realmente ed…

A família é um bem para a sociedade

A família é um bem para a sociedade, primeiro, porque é o centro onde nascem e crescem os futuros membros da sociedade. As crianças nascem numa família e, ao nascer, fazem parte da família. É no seio da família que recebem a educação a que têm direito. A família é o primeiro laço de transmissão da cultura. Este papel é insubstituível: o ser humano nasce e cresce no seio de uma família; constrói a sua identidade no seio de uma rede de laços de parentesco. Estamos convencidos (mesmo que esta evidência não seja fácil de demonstrar) que um mundo sem família, em que as crianças seriam geradas em máquinas, sem pais, para de seguida se juntarem, seria muito grave para a existência da humanidade. A família é um bem para a sociedade porque oferece a base afetiva em que se constrói a personalidade. É preciso ser amado, encorajado, para adquirir a confiança suficiente para poder autorrealizar-se como pessoa, tornar-se pessoa ativa e participativa na vida da sociedade. Quando nascemos, temos neces…

Papa entoa hino de louvor às mães e recorda Oscar Romero

«Obrigado por aquilo que sois na família e por aquilo que dais à Igreja e ao mundo»
Cada pessoa humana deve a vida a uma mãe, e quase sempre deve a ela muito da própria existência que se segue ao nascimento, da formação humana e espiritual. A mãe, todavia, apesar de ser muito exaltada do ponto de vista simbólico (...), é pouco ouvida e pouco ajudada na vida quotidiana, pouco considerada no seu papel central na sociedade. Assim, muitas vezes aproveita-se a disponibilidade das mães para se sacrificarem pelos filhos para “poupar” nas despesas sociais.