Avançar para o conteúdo principal

A bela e árdua missão da família, hoje

A nossa diocese de Leiria-Fátima dedica um biénio à pastoral familiar perante os novos desafios e na perspetiva da evangelização. Propusemo-nos dois grandes objetivos: redescobrir e reconhecer como e quanto é bom, belo e feliz formar uma família segundo o desígnio de Deus; e como e quanto isto é precioso e indispensável para a vida das pessoas, da sociedade e da Igreja e para o futuro da humanidade.
A nossa reflexão crente não pode limitar-se simplesmente a constatar a crise que hoje atinge a família, a analisar os dados e, pior ainda, a ficar parada junto ao muro das lamentações. A primeira urgência é sobretudo o reconhecimento e o anúncio de que o Evangelho tem algo de importante e belo a dizer hoje para a família (o Evangelho da família) e também de que a instituição familiar é Evangelho, boa notícia para o mundo contemporâneo enquanto realidade originária de amor como criatura de Deus-Amor. É, pois, necessário que a comunidade cristã faça ressaltar a beleza e a dignidade da família no contexto da vocação ao amor que toma uma forma específica no matrimónio do qual surge a família. A esta finalidade dedicamos o primeiro ano do biénio pastoral sob o lema “Amor conjugal: dom e vocação”.

A missão de ser “alma do mundo”
No presente ano pastoral vamos voltar-nos para a missão da família na sociedade e na Igreja, sob o lema: “A Família: dom e missão”. Perante a tentação atual de reduzir a família a lugar de afetos privados, é necessário sublinhar a sua missão e a responsabilidade públicas, social e eclesial; tomar consciência de que é um bem não só para o casal e os filhos, mas para todos. Para apreciar verdadeiramente a realidade familiar, devemos reconhecê-la como comunidade originária, isto é, o primeiro lugar em que a sociedade surge, se desenvolve e se regenera continuamente.
Da família provém o capital humano, espiritual e social básico, primário, de uma sociedade. Este capital é gerado pelas virtudes únicas e insubstituíveis da família. Converte-se no fator decisivo do bem estar material e espiritual das pessoas que contribuem para o funcionamento positivo da sociedade e a tornam feliz, para o bem comum.

Neste sentido, a família está chamada a tornar-se “alma do mundo” realizando a sua missão como escola primeira e sem igual de humanidade, precisamente enquanto primeira escola de afetos que ajuda a crescer e amadurecer a personalidade; como comunidade e escola de fé, lugar privilegiado da primeira iniciação à fé; como berço da vida e escola de virtudes sociais, de cidadania responsável. Trata-se de uma missão bela e árdua. Para a realizarem, as famílias precisam naturalmente do apoio humano e espiritual por parte da sociedade e da Igreja: de políticas sociais amigas da família, de uma pastoral de acolhimento e acompanhamento, de animação e misericórdia.
É preciso promover uma pastoral capaz de estimular a participação da família na sociedade, a recuperar o seu papel de sujeito social. “Neste contexto, aparecem muitos desafios às famílias: a relação entre a família e o mundo do trabalho, entre a família e a educação, a família e a saúde; a capacidade de unir entre si as gerações de modo a não abandonar os jovens e os idosos; o desenvolvimento de um direito de família que tenha em conta as suas relações específicas; a promoção de leis justas que garantam a defesa da vida humana e promovam a bondade social do matrimónio autêntico entre o homem e a mulher” (Instrumento de Trabalho para o Sínodo dos Bispos, 34). Os governos preferem ocupar-se dos cidadãos individuais e suas aspirações do que do bem da família e suas necessidades.

Subsídios para reflexão e formação
Estes aspetos sobre a missão da família já foram apresentados na carta pastoral que escrevi no ano passado “A beleza e a alegria de viver em Família”. Este ano, publicamos um opúsculo com três contributos muito interessantes e pertinentes para reflexão e formação. Podem ajudar as comunidades, os departamentos e serviços diocesanos, os agentes pastorais a dinamizar e concretizar mais as atividades do percurso pastoral já programado.
O primeiro contributo é uma Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, “A força da família em tempos de crise” (11/04/2013). Ajuda a descobrir o precioso e insubstituível “bem social” da família e é um apelo a que esta “seja reconhecida e apoiada na missão social que só ela pode desempenhar”. Um país que quer um futuro, tem necessidade de famílias sólidas e com filhos.
Segue-se o texto duma catequese preparatória do VII Encontro Mundial das Famílias, em Milão 2012, intitulada “A família anima a sociedade”. Trata o tema com método e em termos mais catequéticos para ajudar a interiorizá-lo e a vivê-lo no quotidiano.
Por fim, acrescentamos uma carta do então arcebispo de Milão em 2008, Cardeal Dionísio Tettamanzi, dirigida aos casais em situação de separação, divórcio e nova união, intitulada “O Senhor está próximo dos que têm o coração ferido”. É um texto bem expressivo da “medicina de misericórdia” de Deus e da respetiva pastoral da Igreja em relação a estas situações difíceis. Pretende iluminar as comunidades cristãs na pastoral do acolhimento e ajudar a curar as feridas das pessoas que foram atingidas por situações de rotura, ajudá-las a caminhar na fé e a integrá-las na vida da comunidade cristã dentro das possibilidades e dos limites da nova situação. “A medicina da misericórdia não se destina a favorecer os naufrágios, mas sempre e só a salvar a barca no mar tempestuoso e dar aos náufragos o acolhimento, o cuidado e o apoio necessários” (Bruno Forte).
A família é uma “grande causa” para a Igreja e para a sociedade neste momento de crise epocal. Pode ser o ponto de partida de uma sociedade, de uma Igreja e de um mundo renovados. Merece, pois, e espera todo o nosso empenho, as nossas melhores energias, a nossa confiança e a nossa oração. Vamos a isso com coragem e entusiasmo, com criatividade e esperança!
† António Marto, Bispo de Leiria-Fátima

A beleza e a alegria de viver em família - Biénio pastoral 2013-2015

Mensagens populares deste blogue

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

Mais de 46 pares de noivos preparam matrimónio em Famalicão

Iniciaram a sua preparação para o casamento no passado domingo, dia 15 de abril, no Centro Social e Paroquial de Ribeirão, 46 pares de noivos, sob a orientação de uma equipa de seis casais oriundos das paróquias de Esmeriz, Fradelos, Lousado e Ribeirão, bem como do assistente deste CPM, o padre António Machado, pároco das freguesias de Fradelos e de Vilarinho das Cambas. A equipa é coordenada pelo casal Ana Maria Almeida e Adão Manuel Rocha, da paróquia de Ribeirão.

Mãe, obrigado!

Mãe, Tu, Que a partir do momento que aceitaste o dom da vida, Desde da fecundação do teu filho… até hoje, Todas os dias, Ao longo da tua vida, Sempre. Sem nunca deixares de te preocupar, Estiveste sempre ao seu lado.