Avançar para o conteúdo principal

A bela e árdua missão da família, hoje

A nossa diocese de Leiria-Fátima dedica um biénio à pastoral familiar perante os novos desafios e na perspetiva da evangelização. Propusemo-nos dois grandes objetivos: redescobrir e reconhecer como e quanto é bom, belo e feliz formar uma família segundo o desígnio de Deus; e como e quanto isto é precioso e indispensável para a vida das pessoas, da sociedade e da Igreja e para o futuro da humanidade.
A nossa reflexão crente não pode limitar-se simplesmente a constatar a crise que hoje atinge a família, a analisar os dados e, pior ainda, a ficar parada junto ao muro das lamentações. A primeira urgência é sobretudo o reconhecimento e o anúncio de que o Evangelho tem algo de importante e belo a dizer hoje para a família (o Evangelho da família) e também de que a instituição familiar é Evangelho, boa notícia para o mundo contemporâneo enquanto realidade originária de amor como criatura de Deus-Amor. É, pois, necessário que a comunidade cristã faça ressaltar a beleza e a dignidade da família no contexto da vocação ao amor que toma uma forma específica no matrimónio do qual surge a família. A esta finalidade dedicamos o primeiro ano do biénio pastoral sob o lema “Amor conjugal: dom e vocação”.

A missão de ser “alma do mundo”
No presente ano pastoral vamos voltar-nos para a missão da família na sociedade e na Igreja, sob o lema: “A Família: dom e missão”. Perante a tentação atual de reduzir a família a lugar de afetos privados, é necessário sublinhar a sua missão e a responsabilidade públicas, social e eclesial; tomar consciência de que é um bem não só para o casal e os filhos, mas para todos. Para apreciar verdadeiramente a realidade familiar, devemos reconhecê-la como comunidade originária, isto é, o primeiro lugar em que a sociedade surge, se desenvolve e se regenera continuamente.
Da família provém o capital humano, espiritual e social básico, primário, de uma sociedade. Este capital é gerado pelas virtudes únicas e insubstituíveis da família. Converte-se no fator decisivo do bem estar material e espiritual das pessoas que contribuem para o funcionamento positivo da sociedade e a tornam feliz, para o bem comum.

Neste sentido, a família está chamada a tornar-se “alma do mundo” realizando a sua missão como escola primeira e sem igual de humanidade, precisamente enquanto primeira escola de afetos que ajuda a crescer e amadurecer a personalidade; como comunidade e escola de fé, lugar privilegiado da primeira iniciação à fé; como berço da vida e escola de virtudes sociais, de cidadania responsável. Trata-se de uma missão bela e árdua. Para a realizarem, as famílias precisam naturalmente do apoio humano e espiritual por parte da sociedade e da Igreja: de políticas sociais amigas da família, de uma pastoral de acolhimento e acompanhamento, de animação e misericórdia.
É preciso promover uma pastoral capaz de estimular a participação da família na sociedade, a recuperar o seu papel de sujeito social. “Neste contexto, aparecem muitos desafios às famílias: a relação entre a família e o mundo do trabalho, entre a família e a educação, a família e a saúde; a capacidade de unir entre si as gerações de modo a não abandonar os jovens e os idosos; o desenvolvimento de um direito de família que tenha em conta as suas relações específicas; a promoção de leis justas que garantam a defesa da vida humana e promovam a bondade social do matrimónio autêntico entre o homem e a mulher” (Instrumento de Trabalho para o Sínodo dos Bispos, 34). Os governos preferem ocupar-se dos cidadãos individuais e suas aspirações do que do bem da família e suas necessidades.

Subsídios para reflexão e formação
Estes aspetos sobre a missão da família já foram apresentados na carta pastoral que escrevi no ano passado “A beleza e a alegria de viver em Família”. Este ano, publicamos um opúsculo com três contributos muito interessantes e pertinentes para reflexão e formação. Podem ajudar as comunidades, os departamentos e serviços diocesanos, os agentes pastorais a dinamizar e concretizar mais as atividades do percurso pastoral já programado.
O primeiro contributo é uma Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, “A força da família em tempos de crise” (11/04/2013). Ajuda a descobrir o precioso e insubstituível “bem social” da família e é um apelo a que esta “seja reconhecida e apoiada na missão social que só ela pode desempenhar”. Um país que quer um futuro, tem necessidade de famílias sólidas e com filhos.
Segue-se o texto duma catequese preparatória do VII Encontro Mundial das Famílias, em Milão 2012, intitulada “A família anima a sociedade”. Trata o tema com método e em termos mais catequéticos para ajudar a interiorizá-lo e a vivê-lo no quotidiano.
Por fim, acrescentamos uma carta do então arcebispo de Milão em 2008, Cardeal Dionísio Tettamanzi, dirigida aos casais em situação de separação, divórcio e nova união, intitulada “O Senhor está próximo dos que têm o coração ferido”. É um texto bem expressivo da “medicina de misericórdia” de Deus e da respetiva pastoral da Igreja em relação a estas situações difíceis. Pretende iluminar as comunidades cristãs na pastoral do acolhimento e ajudar a curar as feridas das pessoas que foram atingidas por situações de rotura, ajudá-las a caminhar na fé e a integrá-las na vida da comunidade cristã dentro das possibilidades e dos limites da nova situação. “A medicina da misericórdia não se destina a favorecer os naufrágios, mas sempre e só a salvar a barca no mar tempestuoso e dar aos náufragos o acolhimento, o cuidado e o apoio necessários” (Bruno Forte).
A família é uma “grande causa” para a Igreja e para a sociedade neste momento de crise epocal. Pode ser o ponto de partida de uma sociedade, de uma Igreja e de um mundo renovados. Merece, pois, e espera todo o nosso empenho, as nossas melhores energias, a nossa confiança e a nossa oração. Vamos a isso com coragem e entusiasmo, com criatividade e esperança!
† António Marto, Bispo de Leiria-Fátima

A beleza e a alegria de viver em família - Biénio pastoral 2013-2015

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.

Oração de ação de graças a Deus pelo dom da Família -