Avançar para o conteúdo principal

Namora, quem lê nos olhos e sente no coração - Dia dos Namorados

Namora, quem lê nos olhos e sente no coração
as vontades saborosas do outro.
Namora, quem se embeleza em estado de amor.
Namora quem sente frios e calores,
nas horas menos recomendáveis.
Namora, quem começa a ver muito mais no mesmo lugar que sempre viu
e jamais reparou.
Flores, árvores, a santidade, o perdão, Deus,
tudo é mais fácil para quem sabe, de verdade, o que é namorar.
Por isso, só namora
quem descobre um lindo amor,  tecido do melhor de si mesmo e do outro.
Namora quem namora, quem à toa chora,
 quem relembra e quem comemora datas que o outro esqueceu.
Namora quem é bom, quem gosta da vida, do céu, do mar
e do parque de diversões.
Namora quem sonha, quem teima,
quem se sacrifica por amor e quem vive para amar.
Namora, quem diz: "Precisamos muito conversar".
Quem é capaz de perder tempo, muito tempo, com a mais útil das inutilidades:
pensar no ser amado.
Apreciar cada momento vivido e recordar palavras, fotos e carícias com uma vontade cega de parar o tempo e encher-se de felicidade.
Namorar é a forma bonita de viver um amor.  Quem namora agrada a Deus.
Obrigado Senhor, por me ajudares a namorar!


Autor desconhecido

Equipa da Pastoral Familiar Arciprestal
Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.