Avançar para o conteúdo principal

Carta aberta aos que vivem nas periferias da família… IX Jornada da Família

Carta aberta

Aos divorciados, aos recasados, aos que vivem em união de facto, aos que excluem a própria ideia de casamento... a ti que és pai ou mãe solteiro... aos que sofrem e vivem a dor da rejeição, da incompreensão, da desilusão... às famílias e a todos a quem o Evangelho da alegria ainda não chegou...*

Desculpem a ousadia, mas desejamos entrar em vossa casa, na vossa vida... Como irmãos, pedimo-vos licença para o fazer... Permitam-nos que, cheios de respeito, batamos delicadamente à porta do vosso imenso coração para nele entrar...
Apenas nos queremos sentar convosco e ouvir-vos, sentir-vos, atender-vos e fazer nossas as vossas alegrias e esperanças, dores e angústias... Como o Papa Francisco, quando chegou a Brasil, dizemos: Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo! Venho em seu Nome, para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração; e desejo que chegue a todos e a cada um a minha saudação: «A paz de Cristo esteja convosco!»
Muitos de vós sois crentes, pertencentes à Igreja. Contudo, por incompreensão e falta de acolhimento mútuo, sentis o peso da exclusão da grande comunidade dos discípulos do Senhor. O vosso desencanto, desapontamento e decepção são um grito que nos acorda todos os dias. Queríamos portanto encontrarmo-nos uns com os outros, e, com todos, abrir um diálogo para partilhar as alegrias e os cansaços do nosso caminho comum; para escutar um pouco do vosso quotidiano; para nos deixarmos interpelar pelas vossas interrogações; para vos confiarmos os sentimentos e os desejos que sentimos no nosso coração diante de cada um de vós.
Antes de mais dizemo-vos que não somos estranhos. Vós sois irmãs e irmãos nossos, muito amados e desejados. E esta nossa ousadia de entrar na vossa vida reveste-se de uma fraternidade comunicadora de vida, de um sincero afecto e da consciência que em vós existem perguntas e sofrimentos que muitas vezes vos parecem negligenciados ou ignorados pela Igreja.
Queremos dizer-vos que estamos atentos e comprometidos com a vossa angústia humana.
É certo que nós, muitas vezes e de muitos modos, não vos compreendemos e acolhemos. Outras vezes tivemos palavras que tinham sabor a julgamento sem misericórdia ou a condenação sem apelo. Por isso, fostes alimentando a ideia de que fostes abandonados e excluídos...
Por isso, colocando-nos ao vosso lado, o que vos queremos manifestar é isto: “A Igreja não vos esqueceu! Nem porventura vos julga, exclui ou vos considera indignos. A Igreja está próxima de vós. A vossa ferida também é nossa!”
Esta é apenas uma visita que abre à confidência. Esta é uma visita às tuas tribulações que se abre à partilha. Entramos assim em tua casa com uma palavra. Aquela palavra silenciosa que deseja apenas exprimir o quanto queríamos ser um sinal do amor de Deus que te acompanha, que te abençoa, que te envia o Consolador... No fundo, dizer-te que a tua tribulação está habitada pela graça e pela bondade e assegurar bem alto com o Salmista: «O Senhor está próximo daqueles quem têm o coração ferido» (Sl 18, 2) e «Mas Tu vês a angústia e a dor» (Sl 10, 14).

Pelas Equipas de Pastoral Familiar de São Martinho de Brufe e Santo Adrião, VNF

*Cf. Dionigi Tettamanzi, Cardeal Arcebispo de Milão: “Carta aos casais em situação de separação, divórcio e nova união” em 2008; e “Carta às famílias em dificuldade”, em 2009. Tradução do departamento Arquidiocesano da Pastoral Familiar de Braga.

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.