Avançar para o conteúdo principal

Tu acreditas na vida depois do parto? - ANO DA FÉ

No ventre de uma mulher grávida estão dois bebés. Pergunta um ao outro:
- Tu acreditas na vida depois do parto?
- Claro que sim. Deve existir alguma coisa depois do parto. Talvez estejamos aqui porque precisamos de nos preparar para o que seremos mais tarde.
- Maluquices! Não há vida depois do parto. Como seria essa vida?
- Não sei, mas de certeza que… deve haver mais luz do que aqui. Talvez caminhemos pelos nossos pés e nos alimentemos pela boca…
- Isso é absurdo! É impossível caminhar. E, comer pela boca? Isso é ridículo! O cordão umbilical é a única forma de nos alimentarmos. E digo-te mais: a vida depois do parto não existe… O cordão umbilical é demasiado curto…
- Pois, eu acredito que deve haver mais alguma coisa. Deve ser apenas um pouco diferente daquilo a que estamos agora habituados.
- Mas ninguém voltou do além, do pós-parto. O parto é o final da vida. E no fim de contas, a vida não é mais do que uma angustiosa existência na escuridão que não leva a nada.
- Bom,… eu não sei exactamente como será depois do parto, mas de certeza que veremos a nossa mamã e ela cuidará de nós.
- Mamã? Tu acreditas na mamã? Onde é que ela está?
-Onde? À nossa volta. É nela e através dela que vivemos. Sem ela não existiríamos.
- Pois, eu não acredito! Nunca viste a mamã, … por isso, é lógico que ela não existe.
- Mas, … às vezes, no silêncio, podes ouvi-la a cantar ou senti-la quando acaricia o nosso mundo. Sabes…? Penso que deve haver uma vida real que está à nossa espera, e que agora estamos apenas a prepararmo-nos para ela…

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.