Avançar para o conteúdo principal

A Família nos tempos que correm…



Vivemos tempos difíceis e de austeridade, cujas circunstâncias nos levam cada vez mais a apertar o cinto, a poupar e a reinventar novas formas de não sofrer mais penalizações no orçamento familiar e que podem gerar, mais tarde ou mais cedo, sentimentos de revolta e indignação em cada um de nós e consequentemente no seio familiar. São tempos incertos, gravosos e de alguma impotência, porque não conseguimos perceber, orientar e apoiar quem vive com maior dificuldade, porque recebe uma parca reforma ou porque caiu no desemprego e, no desânimo... 
Perante estes factos, devemos questionar qual o sentido e o rumo que queremos tomar para as nossas vidas e para as nossas famílias.
O nosso papel de educadores cristãos ativos e comprometidos exige que sejamos capazes de impor a diferença pela positiva, afirmar e enaltecer com coragem os nossos princípios e valores, e de repensar o nosso sentido de vida e de família. Hoje, não podemos ficar indiferentes e isolados no nosso mundo, no nosso conforto privado e fazer de conta que vivemos apenas uma crise económica, que a seu tempo passará. Na realidade, vivemos uma crise de valores.
A verdade, a partilha, a justiça, a equidade, a ética, a solidariedade, o altruísmo e tantos outros são valores importantes e imprescindíveis, nestes tempos que correm, para a nossa sociedade, para as nossas famílias, para os nossos amigos e para todos.
Temos que aprender ou reaprender a partilhar para receber, a calar para escutar, a entender para vivenciar, a amar para perdoar. A família possui esta capacidade de ser para os outros, de ir mais além, de orientar, de educar, de ser vida plena de sentido, de estar atento a… É no seu seio que se criam as pontes para a solidariedade e somos impulsionados a estar atentos ao outro, a participar na sua história de vida, a levar-lhe o nosso entusiasmo, a nossa dedicação e a nossa alegria.
Porque há alguém que sente que os seus dias nascem sempre iguais, com pouca luz e com pouca cor e nós pretendemos que ele não sinta assim…
Nós pretendemos levar-lhe a nossa solidariedade e desta forma “procurar o outro e participar na sua história de vida” (Cury, 2012).

Equipa da Pastoral Familiar Arciprestal de Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.