Avançar para o conteúdo principal

FAMÍLIA - FÉRIAS - EUCARISTIA - CATEQUESE


Os dias de férias são, por muitos e para todos, esperados com ansiedade, por serem tempo de descanso, de retemperar energias e de fazer coisas diferentes. Mas, para algumas famílias, férias são sinónimo de maiores conflitos, uma vez que se vêem "obrigados" a um maior convívio, a estarem mais tempo uns com os outros. No entanto, seria interessante e importante pararmos um momento para redescobrirmos que este tempo de férias é sobretudo um tempo de graça que nos é oferecido para fazer crescer os laços relacionais e afectivos entre os familiares. 
Então, por que não aproveitar este momento para partilhar a vida?
Se, durante o ano, afirmamos não ter tempo para estar uns com os outros, por que não aproveitar as férias e recuperarmos a comunhão e o convívio uns com os outros, pais e filhos, avós, tios… amigos!?
Se desejamos a união e a paz na família é preciso conhecer as necessidades de seus membros. Para isso, precisamos estar juntos, presentes.
Por isso, deixamos outra interrogação: como vais usufruir o tempo de férias, com os teus filhos e restantes familiares? 
Para muitas famílias, encontrar espaços de relação é difícil devido a vários fatores… e cada um sabe os seus…
Contudo, somos crentes. Acreditamos na graça de Deus. Acreditamos que Deus providencia todas as coisas em nosso favor e para nossa alegria. Por isso, se não nos esquecermos de Deus tudo será bem mais fácil. Aliás, São Paulo, na sua carta aos Efésios, diz que Jesus Cristo é nossa paz. 
Isso significa que só Ele nos conduz à paz verdadeira, e é sobre Ele que devemos edificar os nossos laços familiares. Construir a família sobre a rocha firme da sua Palavra e do seu Amor permanece como desafio da missão matrimonial. Se queremos essa paz e amor, havemos de nos empenhar para alcançá-la, começando por nós mesmos, pois o filhos são reflexos de seus pais.
Posto isto, o que temos oferecido aos nossos filhos? Por que não aproveitar o tempo de descanso para rever a catequese familiar, a começar pelo preceito dominical, participando na eucaristia?
A participação na Eucaristia Dominical é, aliás, «um compromisso irrenunciável, abraçado não só para obedecer a um preceito, mas como necessidade para uma vida cristã verdadeiramente consciente e coerente» (João Paulo II, NMI 36).
Ao longo do ano a catequese ajuda os pais e encarregados de educação a cumprir a missão paternal e maternal de principais e imprescindíveis educadores da fé. Aquando da matrícula na catequese dos filhos os pais sabem que a mesma pressupõe, simultaneamente, a opção pela participação fiel na Eucaristia Dominical, sem a qual ela não cumpre a sua finalidade primeira.
É caso para nos perguntarmos novamente: como tenho sido testemunha da importância do Domingo e da Eucaristia?
Querer viver o amor sem o buscar é perigoso e não permite que a paz pessoal e familiar seja possível. As consequências da participação na eucaristia dominical são para todos um bem, pois se mergulharmos nas fontes do amor sentir-nos-emos mais fortes e capacitados para amar. E isto pode acontecer cada domingo…pois estaremos abastecidos de amor para depois o partilhar com os restantes membros da família. Devemos entender que a paz é consequência do amor, não apenas humano, mas daquele que vem do coração de Deus.

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.