Avançar para o conteúdo principal

Café Concerto - perguntas e respostas - conclusões


 Aqui está mais um grupo de perguntas e respostas decorrentes da dinâmica do Café Concerto
 
Qual o nosso papel como cristãos e crentes no compromisso com a vida?
É não parecer mas ser;
Sermos verdadeiros, humildes, tolerantes;
Dar o testemunho de cristão, independentemente do lugar onde estamos;
Analisar os irmãos, principalmente os que sofrem;
Dar exemplo;
É “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”
Ser cristão
 É olhar-te, sorrir-te
 e receber de ti
Um sorriso acolhedor
e  amigo.
A defesa da vida é somente dos cristãos?
Não, todos temos como compromisso zelar pela vida independentemente das crenças
O Evangelho da Vida não é exclusivamente para os crentes?
A nossa missão a desempenhar é concretamente evangelizar e dar o exemplo perante o nosso semelhante; e lembrarmo-nos da frase” Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”: Amar com o coração.
Qual é para vocês a importância da família na vida da comunidade e que importância tem a Igreja no seio da mesma?
1.       A família é a base da comunidade
2.       A Igreja acolhe, congrega, propõe objetivos e aponta novos caminhos de esperança.
A família é uma árvore, quais são os seus ramos?
Quais os frutos que deve produzir?
Os ramos da árvore que é a Família são os seus elementos naturais e os “enxertos”. Pois como a videira,  a árvore da família recebe  os seus novos seres que ajudarão a continuar a crescer e a florescer.
Devem ser gerados frutos de Amor, Compaixão, Alegria, Entendimento…Partilha.

Família Magalhães

Sem Deus e sem a família a vida faz algum sentido?
Não, porque Deus é Família e sem ela nenhum de nós viveria
Deus é afeto, amor, união..E o que é tudo isto? FAMÍLIA!

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.