Avançar para o conteúdo principal

Mensagem de D. Jorge Ortiga à VII Jornada da Família

Estimadas Famílias de Famalicão,
Bem-hajam!

Quando reconhecemos a importância e necessidade duma iniciativa, gostamos de participar ou marcar a nossa presença. Como infelizmente não posso participar fisicamente, uno-me a quantos beneficiam destas VII Jornadas da Família e peço licença para deixar um pensamento.
D. Jorge Ortiga, Arcebispo Primaz
Há determinadas palavras que se usam conforme os momentos. Ultimamente temos procurado sublinhar o valor da Esperança. Como crentes, somos portadores duma mensagem que, alimentando-nos dela, nos ajuda a encarar o futuro com serenidade. Acreditar nesta mensagem, como perene Boa Nova, é a certeza duma esperança que ultrapassa todas as dificuldades, pois alicerça-se na fé que vence o que parece impossível.
Procuramos muitas âncoras neste mundo agitado! A fé, como centralidade de Deus na vida, é a garantia de que nunca poderemos ter medo de nada, porque Deus está connosco. Possuídos por esta esperança, podemos saber que outras esperanças não são adquiridas ou sonhos vazios. Em muitos aspetos da vida familiar tudo parece desmoronar-se. As esperanças esvanecem-se e a desilusão começa a entrar em nossas casas.
Voltemos ao essencial e procuremos dar as mãos numa caridade ativa, vivida com outros casais que, em equipas familiares, rezam juntos e debruçam-se sobre os problemas pessoais e de outras famílias. É esta experiência de comunidade, experimentada num sentido de pertença à Igreja, que permitirá conciliar a fé com a caridade e fazer com que estas dimensões da vida nos levem a esperar em Deus, para saborear as esperanças da Família como horizontes a conseguir com empenho e entusiasmo.
Não nos deixemos desanimar! Deixemo-nos antes conduzir pelas referências perenes da Palavra de Deus. O amanhã voltará a sorrir e juntos, em Igreja e no mundo, experimentaremos a felicidade de sermos famílias na fidelidade aos seus compromissos e responsáveis pelo bem-estar de todas as outras famílias.

Bons frutos para estas Jornadas!
Fico convosco, unindo-me a cada um e, particularmente, às famílias com dificuldades.

O vosso Arcebispo,
+ Jorge Ortiga, A. P.

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.