Avançar para o conteúdo principal

VII Jornada da Família

“As alegrias e as esperanças, as dores e as angústias do mundo são as alegrias e as esperanças, as dores e as angústias dos discípulos de Cristo” (GS 1).

Esta chave de leitura da vida e do mundo da Gaudium et spes (Constituição dogmática do Concílio Vaticano II sobre a Igreja, nº 1) bem pode ser associada à chave de leitura da família hoje. Os tempos presentes encerram muitas alegrias e esperanças, mas ao mesmo tempo muitas angústias e dores. Certamente que isto não é de agora, deste tempo. É de sempre. Contudo, parece ser realçado com maior ênfase e com alargada dimensão a via dolorosa dos dias críticos que vivemos. Cremos, no entanto, que há muita mais luz no mundo e muito mais vida do que apenas a escuridão da crise económica, cultural, social e politica… Há luz e há esperança porque há família. Esta é sem dúvida a fonte da luz e da esperança para a humanização do mundo, da sociedade e da Igreja. Pensar que se pode ultrapassar este tempo de pouca luz sem a família é erróneo e coloca em risco a esperança. Nós acreditamos e anunciamos o evangelho da família.
Já em 2004, os bispos portugueses, na sua Carta Pastoral - A Família, esperança da Igreja e do mundo - anunciavam o papel imprescindível, único e insubstituível da família na vida e realização do homem e no progresso sustentável das sociedades.
Sendo a família a referência humana fundamental, ela é também a esperança do mundo, porque está sempre em tensão para aquilo que deve tender a humanidade: dinamismo e plenitude de realização da pessoa.
E quando dizemos que a família é o maior e mais pedagógico sustentáculo da sociedade não estamos a dizer que o é no sentido científico ou dogmático, com o melhor método ou sistema de ensino, mas que é o mais capaz de atingir, desde a concepção, o essencial para a sociabilização. Isto não anula os erros, as lacunas, as dificuldades, as deficiências, as incapacidades de muitas famílias ou membros da família. Porventura até os expõe. No entanto, isso não é a norma nem tende para isso. A família não é um acontecimento sistemático da aprendizagem. A família é vida, comunhão, partilha, acontecimento… é a humanidade a existir…
Cremos, por isso, que precisamos muito mais de nos recordar que a busca da realização do homem tem muitas vias e que a família é a mais importante, do que ser aprendizes de novas teorias, tácticas ou técnicas metodológicas para uma família feliz. Ou dito de outra forma, precisamos muito mais de ser recordados do que ensinados.
Por isso, a VII Jornada da Família propõe-se ser um laboratório da memória da família e ajudar cada um e cada família a implementar nela e na sociedade espaços de fecundidade.


PROGRAMA
________________________________________
14h30 – Acolhimento
15h00 – Abertura da Jornada com momento de oração/reflexão
15h15 – Início: apresentação do tema e do conferencista
15h20 – Intervenção de P.e Carlos Carneiro, SJ
16h30 – Intervalo
17h00 – Reinício dos trabalhos
18h00 – Espaço para as perguntas da audiência
18h30 – Encerramento pelo Sr. Arcebispo D. Jorge
18h45 – Fim dos trabalhos
19h15 – Eucaristia (Nova Matriz)

TOME NOTA
________________________________________
Inscrição por casal: 3€ | Inscrição individual: 1,50€
Entregar no cartório, na sacristia ou aos membros da Pastoral Familiar ou para
os mail's comunidadestoadriao@gmail.com ou em saomartinhodebrufe@gmail.com.

INSCRIÇÃO


Nome (casal ou individual)
________________________________________________________________
E ______________________________________________________________

Filhos (só os que precisam de apoio na Creche Mãe)
_____________________________________________ Idade ________Anos
E ___________________________________________ Idade ________Anos
____________________________________________ Idade ________Anos

Morada
__________________________________________________________________
Telefone/Telemóvel
__________________________________________________________________
Mail
__________________________________________________________________
 


Equipas de pastoral familiar de Santo Adrião de Vila Nova de Famalicão e São Martinho de Brufe, Arciprestado de Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Conselhos do Papa Francisco para ir à Missa com crianças

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família.
“Chata!” Respondi à minha avó quando me perguntou sobre o que eu havia achado da Missa. Na época, eu tinha uns seis anos. E olha que cresci em uma família católica, frequentando Missas e catequeses! Recordo que ir à Missa, muitas vezes, representava uma soneca durante a  homilia, pipocas doces e coloridas ou sorvete no fim. Confesso que minha participação não era exemplar, porém, creio que essa liberdade na participação foi ajudando a semear a fé em meu coração e em minha mente.

Papa Francisco recebe em audiência 35 mulheres separadas e divorciadas

Na segunda-feira, 26 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência privada no Vaticano, um grupo de 35 mulheres separadas e divorciadas da Arquidiocese espanhola de Toledo.

A mulher é quem dá harmonia ao mundo, não está aqui para lavar louça

O Pontífice indicou que é necessário evitar se referir à mulher falando somente sobre a função que realiza na sociedade ou em uma instituição, sem levar em consideração que a mulher, na humanidade, realiza uma missão que vai além e que nenhum homem pode oferecer: “O homem não traz harmonia: é ela. É ela que traz a harmonia, que nos ensina a acariciar, a amar com ternura e que faz do mundo uma coisa bela”. Em sua reflexão sobre a Criação, a partir da leitura do Livro do Gênesis, o Papa Francisco se referiu ao papel da mulher na humanidade.