Avançar para o conteúdo principal

Tempo de férias tempo de brincadeira… em família!

Quem não gosta de férias? 
Todos gostamos porque nos permitem o descanso e o retemperar de energias para poder retomar o trabalho… Contudo férias não tão somente sinónimo de lazer e de descontracção. É tempo oportuno para a família se rever e reconhecer no seu papel original: comunidade de vida e de amor. 
Colocando de lado horários, stress, preocupações a família tem neste período uma oportunidade única para redescobrir a brincadeira. 
Brincar faz falta. 
Brincar uns com os outros faz imensa falta. 
Que o pai brinque com a mãe… que a mãe brinque com o pai… que o pai e a mãe brinque com os filhos… a brincadeira não é "brincadeira". Brincar é uma coisa séria. Tão séria e necessária é a brincadeira que não pode deixar de ser uma realidade em férias (e fora delas). 
A brincadeira é séria porque fomenta o conhecimento, espevita a criatividade, alivia a carga, promove o diálogo, activa as relações, desperta a convívio, produz comunicação, faz família… 
A brincadeira é necessária porque quebra rotinas, cria liberdade, estimula a confiança, é um investimento na sadia relação entre familiares, estabelece regras, aumenta a formação integral, incentiva à cultura, serena os corações, alivia as tensões…
Em tempo de férias brinquemos muito uns com os outros…brinquemos sem medo de nos sujarmos, sem medo de doenças, sem medo de quebrar algumas regras.... fantasiemos, contemos histórias, façamos teatro, contemos anedotas, joguemos muito… façamos sorrir… criemos oportunidades para estar juntos, ao menos em férias… 

Pastoral Familiar de Vila Nova de Famalicão

Mensagens populares deste blogue

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis...

Em Setembro passa a ser proibida a eutanásia nos canis como medida de controlo dos cães e gatos vadios. Governo pode vir a estender prazo, porque maioria dos canis não sofreu obras. Em 31 concelhos nem sequer existem.

E se ajudássemos os outros a viver?

Nunca fui autónoma, mas isso não me tornou menos digna em nenhum dos dias, desde que nasci. É por isso que não posso ficar em silêncio, numa altura em que nos preocupamos em como ajudar os outros a morrer.

Eutanásia: Interrupção Voluntária do Amor (IVA)

Nestas últimas semanas, estou em visita pastoral às paróquias mais pequenas do arciprestado de Cabeceiras de Basto. No contexto atual de debate sobre a eutanásia, tenho procurado saudar ainda com mais respeito e carinho os idosos que encontro nos Centros de Convívio, em suas casas ou na Igreja Paroquial na celebração do Sacramento da Unção dos Doentes.